Anos atrás, consumir morango vinha sempre com um misto de sensações: o prazer em saborear a fruta e o receio de contaminação com resíduos de agrotóxicos. Isso porque era praticamente impossível produzir sem o uso de altas doses de defensivos químicos, já que o morango é uma das frutas mais suscetíveis a pragas e doenças.

LEIA TAMBÉM:

> Beijo, invasão, faixa de pedestre: veja casos inusitados das capivaras

Cesta básica fica mais barata em Curitiba, mas café da manhã tá bem mais salgado

Carro capota quatro vezes após atropelar capivara ao lado do Parque Barigui

Nos últimos anos, porém, essa realidade mudou na região metropolitana de Curitiba. Um grupo de agricultores praticamente eliminou os agrotóxicos, o que foi possível devido a algumas técnicas de cultivo: ambiente protegido (estufa ou canteiros cobertos), plantio elevado (em bancadas), sistema semi-hidropônico (em substrato, com solução nutritiva) e o controle biológico de pragas.

“O resultado foram plantas saudáveis e mais preparadas para ataques de pragas e doenças, o que permitiu diminuir e, em alguns casos, eliminar completamente o uso de químicos foliares, mesmo em sistemas não orgânicos”, explica Luís Gustavo Lorga, técnico do Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná (IDR-PR), que atende os produtores da região.

Plantas estão mais saudáveis e mais preparadas para ataques de pragas e doença, dizem especialistas. Foto: Ari Dias/AEN

Outra mudança importante foi a possibilidade de produzir quase o ano inteiro, com pequenas pausas fisiológicas. “Saímos do cultivo de variedades de dia curto, que produzem de setembro a dezembro, e optamos pelas variedades de dia neutro, que produzem quase o ano todo”, informa Lorga. Segundo ele, isso trouxe uma oferta mais constante de morango e permitiu ao agricultor um escalonamento mensal do seu rendimento.

Mulheres lideram a produção na RMC

Na região metropolitana de Curitiba, são as mulheres que estão à frente da produção de morangos, em sua maioria. E, para elas, o cultivo da fruta tem proporcionado um movimento inverso ao êxodo rural: a opção de trocar a cidade pelo campo. Foi o que aconteceu com Rosana Gabardo Pallu. Ela trabalhava como confeiteira na cidade de Mandirituba, mas o que queria mesmo era morar na área rural.

Há dois anos e meio conseguiu comprar um pequeno sítio e se mudou. Optou pelo cultivo de morango como fonte de renda. A experiência deu certo. Começou com 10 mil mudas e a produção da primeira safra foi vendida para grandes redes de supermercados do Paraná e Santa Catarina e para a merenda escolar de Mandirituba. “Não foi suficiente para atender toda a demanda”, diz.

Rosana trocou o trabalho de confeiteira na cidade para cultivar morangos no campo. (Ari Dias).
Rosana trocou o trabalho de confeiteira na cidade para cultivar morangos no campo. Foto: Ari Dias/AEN

Rosana decidiu, então, reinvestir tudo o que ganhou com o moranguinho. Instalou mais uma estufa com mais 10 mil pés. O negócio deu tão certo que no começo desse ano o marido dela, José Marcos, que trabalhava como metalúrgico numa indústria, deixou o emprego e passou a trabalhar também na plantação da fruta. “Hoje vivemos do morango, moramos no campo, onde queríamos, somos os nossos próprios patrões, fazemos o nosso horário e estamos perto de nossa família”, diz Rosana, satisfeita.

Cátia Maria Adão de Oliveira cultiva 8 mil pés no município de Fazenda Rio Grande e colhe em torno de 800 quilos de morango por mês. “Faço o controle biológico de insetos, sem necessitar recorrer aos produtos químicos, na maioria das vezes”, conta. Ela diz também que produz o ano inteiro. “No inverno diminui um pouco a produção, mas não chega a parar”, afirma.

A agricultora também fez o caminho inverso, da cidade para o campo. Trabalhava como caixa numa loja de roupas na cidade e há quatro anos foi para o meio rural. “Minha vida melhorou muito”, diz. Ela conta que gosta de ter o próprio negócio e não ter que sair da região onde mora. Cátia também está ampliando o número de estufas para produzir mais.

Há cinco anos, a engenheira agrônoma Andrea Lefcovich cultiva morangos orgânicos com a marca ‘Delícias da Terra’, em Mandirituba.  Ela conta que estudou agronomia com o propósito de morar no sítio e plantar. “Vendo minha produção para o setor de orgânicos do Mercado Municipal de Curitiba, para alguns empórios e clientes particulares, sob encomenda”, revela. A produção não é suficiente para atender toda a demanda.

Andrea conta que a opção pelo cultivo orgânico foi por sempre acreditar ser possível uma agricultura mais natural. “O cultivo de orgânicos dá mais trabalho, exige atenção e mais horas à disposição. Mas, o valor de venda compensa”, informa a agrônoma. Ela vende o quilo de morangos a cerca de R$ 30, o dobro do valor pago pelo convencional.

Alto custo, mudas importadas e embalagens são entraves na produção

O extensionista do IDR, Luís Gustavo Lorga, diz que há ainda desafios a vencer na cultura do morango. “O custo do material usado na instalação das estufas já era alto e subiu muito na pandemia”, observa. Além disso, segundo ele, há uma dependência por mudas importadas e ainda faltam embalagens adequadas que mantenham o padrão e garantam a durabilidade da fruta.

Cultivo em estufas e sobre bancadas garantem plantas mais resistentes e produção o ano todo. (Ari Dias).
Cultivo em estufas e sobre bancadas garantem plantas mais resistentes e produção o ano todo. Foto: Ari Dias/AEN

Instalar uma estufa para 10 mil mudas custava cerca de R$ 35 mil há dois anos, mas esse ano já está em torno de R$ 50 mil. Nessa área, é possível colher cerca de 600 quilos por mês no verão e, aproximadamente, 400 quilos por mês nos períodos menos quentes do ano.

O extensionista do IDR estima que o retorno do investimento vem em dois anos e que o lucro líquido para uma área com cultivo de 10 mil plantas fica em torno de R$ 5 mil mensais.

Em relação às embalagens, Lorga diz que as indústrias do setor ainda não desenvolveram um produto adequado à necessidade dos produtores. Sobre a dependência externa das mudas, o IDR-Paraná coordena um projeto que tem como objetivo o desenvolvimento de mudas nacionais da fruta.

Pantanal

Zuleica não aceita morar na fazenda com os filhos

Além da Ilusão

Davi expulsa Iolanda de casa

Novidades da Netflix

Filmes e séries que chegam à Netflix nesta semana

Estreia da semana

5 curiosidades sobre “O Telefone Preto”