Um professor de história da rede pública de ensino de Curitiba se propôs a deixar em vida um legado para os mais de 150 alunos que frequentavam as suas aulas a cada ano.

Ambientalista, João Augusto Reque, 49, se preparava para concluir sua dissertação de mestrado, no qual defendia que o desmatamento não pode ser sinônimo de desenvolvimento.

+Leia mais! Fim de semana pode acumular 100mm de chuva, alívio depois de um setembro seco

O professor, porém, não conseguiu concluir seu sonho. Um câncer linfático o matou em 14 de fevereiro, com aproximadamente 95% de sua dissertação concluída. A obra, porém, vai chegar não só a seus alunos, mas ao mundo inteiro.

O orientador do mestrado de Reque, o professor do IFPR (Instituto Federal do Paraná) Ederson Lima, e a viúva do mestrando, Lílian Santos, se uniram para concluir o trabalho, que foi apresentado em banca no dia 21 de setembro na Universidade Federal do Paraná (UFPR) e aprovado.

“Eu sabia que o trabalho não havia sido terminado. Quando ele morreu, passei a ler toda a dissertação. Vi frases e parágrafos que ele não conseguiu terminar já por causa da doença”, disse a viúva de Reque, também professora de história.

+Viu essa? Curitiba Comedy Club anuncia programação do primeiro fim de semana de retorno

“Foi muito doloroso, triste, mas também alegre, por buscar a conclusão de um trabalho que ele queria tanto finalizar”, acrescentou Lílian. O professor começou o mestrado em 2018. Foi diagnosticado com a doença em 2019. Fez tratamento, mas o câncer voltou em julho de 2020. O casal tem um filho de 12 anos.

A conclusão do trabalho foi tratada diretamente com a banca que seria a responsável por avaliar a dissertação, explicou Lílian.

Trabalho concluído

“Trata-se de um caso excepcional, uma homenagem. A família não vai chegar a receber um diploma, mas terá um certificado de que o trabalho foi concluído, e que o programa de mestrado profissional no ensino de história reconhece que a dissertação chegou ao fim”, declarou o orientador de Reque.

Com sua conclusão, a dissertação do mestrado, que abordava o desmatamento e o desenvolvimento urbano do Paraná ao longo de 100 anos (entre 1870 e 1970), será lançada no sistema da UFPR, de acesso público pela internet.

Além de Reque ser uma pessoa extremamente querida em Curitiba, a decisão de continuar seu trabalho teve como motivação também o empenho do professor durante a produção da dissertação.

“Às vezes ele me ligava para falar sobre o mestrado e eu percebia que ele estava no hospital passando por sessão de quimioterapia, pelo barulho que dava para ouvir das máquinas”, contou Lima.

Reque dava aulas para o sexto ano do ensino fundamental no Colégio Estadual Dom Orione, no bairro Seminário, em Curitiba. “Ele tinha uma cara de bravo, mas era muito legal. Explicava tudo direitinho para a gente. E quando alguém não entendia, tinha paciência para esclarecer dúvidas”, afirmou Gabriela de Amorim Ferreira, 13, ex-aluna do professor.

+Leia mais! Biscoitos Piraquê compra empresa de São José dos Pinhais por R$ 180 milhões

Quando ele adoeceu, a escola se mobilizou em apoio. “Ele era muito comprometido e preocupado com a educação. Durante seu tratamento, os alunos enviaram cartas de incentivo. Deram muita força para ele”, lembrou a diretora da escola, Ana Maria Veiga.

Web Stories

Descubra!

Intrigantes e bizarras! Mais cinco histórias curiosas sobre Curitiba

Você sabia?

Cinco curiosidades sobre Curitiba que nem o curitibano raiz sabe!

Gigante!!

Nova Havan será quatro vezes maior que a loja que será abandonada em Curitiba

Pra curtir!

Novas atrações turísticas de Curitiba! Partiu conhecer?