A obra é singela, mas cheia de significado. Feito em traços leves, o quadro mostra um menino ajoelhado no chão. Ao seu lado um cesto de lixo e, jogados lá dentro, bonecos do Batman e do Homem-Aranha jazem esquecidos. Nas mãos do pequeno, uma boneca de enfermeira é elevada ao alto. Essa sim, paramentada com máscara e capa de super-herói.

O quadro Game Changer, “aquele que vira o jogo”, traduzido para o português, foi
feito pelo consagrado artista de rua britânico Banksy, em maio de 2020, como retrato da gratidão dos ingleses aos profissionais da saúde, na linha de frente do combate à covid-19. Em março deste ano a obra, que tinha sido doada ao University Hospital Southampton, de Londres, foi leiloada pelo preço recorde de 23 milhões de dólares.
O valor foi doado para organizações de saúde e instituições de caridade, em prol
dos profissionais que – todos os dias – põem a própria saúde em risco no combate ao coronavírus.

Tão histórica quanto a venda de Game Changer, na Inglaterra, a marca diária das mortes por covid no Brasil também traz perplexidade. No “front” da batalha, aqueles que começaram por vocação, hoje encaram o trabalho como missão: a de continuar. Cansados pelas longas jornadas, duplas, triplas, sem comer ou descansar, muitos têm mostrado suas fragilidades. Nas redes sociais não é difícil encontrar vídeos de profissionais da saúde exaustos, com rostos marcados pela fadiga e pelas máscaras de proteção.

Nem tudo, porém é tão sombrio. Se por um lado encaramos, todos os dias, as mazelas pelas quais a condução da saúde pública submete os profissionais, por outro vemos que, independente das condições físicas, médicos e enfermeiros têm sido a única luz de esperança para muitos pacientes da covid. Seja nas urgentes primeiras horas do atendimento aos infectados, seja no esperançoso primeiro abrir de olhos depois da intubação, lá estão eles. Prontos e fiéis à saúde de quem convalesce.

Se na Inglaterra a gratidão é expressa em arte, para traduzir em dados o agradecimento da população curitibana a esses profissionais, a Tribuna do Paraná procurou a ouvidoria da Secretaria Municipal de Saúde de Curitiba. Descobrimos que, apesar de fechado, o povo de Curitiba tem expressado os sentimentos quando o assunto é elogiar os profissionais da saúde.

Segundo a Secretaria Municipal da Saúde, somente no último mês mais de 4,6 mil elogios foram formalizados aos profissionais da saúde que servem à administração municipal. Aos profissionais dos postos de saúde, 2.864 elogios foram registrados. E aos das UPAs, 579 agradecimentos foram direcionados. Reconhecimento que vem em boa hora.

A enfermeira Wencke Warkentin, conhece bem a exaustão dos plantões nas emergências. Ela afirma que ter o trabalho reconhecido funciona como injeção de ânimo aos profissionais da saúde. “Receber um elogio do paciente é mais gratificante que ser elogiado pelo próprio chefe ou líder. Faz surgir real significado ao nosso trabalho”, revela a enfermeira, para quem a profissão é muito mais que um ofício.

“Costumo dizer que a enfermagem é uma missão. Envolve intimidade e envolvimento profundo com o paciente no seu momento de maior vulnerabilidade. Saber que esse trabalho é reconhecido funciona como combustível. Nos dá energia pra continuar”, ressalta.

O efeito tem sido tão positivo, que canais oficiais de comunicação têm sido criados por instituições privadas e públicas de todo o país. Em Curitiba, os registros podem ser feitos tanto pela ouvidoria da Prefeitura quanto pelo telefone 156. Em outros casos, o agradecimento vem na forma de presentes. Segundo a assessoria de comunicação da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), os mimos são entregues semanalmente aos profissionais como forma de agradecimento.

Elogio: um dever

Segundo a especialista em gestão de pessoas Cristina Lopes, os efeitos dos elogios baseados em fatos, ou seja, elogios verdadeiros, muitas vezes trazem níveis de gratificação pessoal e estímulo profissional, por vezes até maiores que um aumento de salário, por exemplo. “Os elogios para profissionais da saúde, na atual conjuntura, têm efeito de vitaminas e estimulantes, repondo a energia de que tanto precisam”, afirma.

A especialista oferece à população um conselho valioso: não poupem elogios. “Quando você encontrar alguém, ainda que desconhecido, e encontrar razões para elogiar, entregue. Não economize em elogios. É direito do outro receber esse reconhecimento. E isso só faz bem”, finaliza.

Curiosos que somos, pedimos ao departamento algumas das mensagens de gratidão registradas pela ouvidoria. Por dever de sigilo, o nome dos pacientes foi omitido. Confira:

Tratamento VIP

“Paciente elogia o excelente atendimento médico prestado por um médico. Relata que o médico é muito gentil, atencioso, super eficiente. Cidadão tem plano de saúde e informa que nem na rede particular recebeu um tratamento VIP dessa forma, relata que testou positivo para covid-19 e o médico passou segurança para ela e todos da família.”

Equipe preparada no Posto da Salgado Filho

“Paciente elogia o atendimento prestado pela técnica em enfermagem do Posto de Saúde Salgado Filho. Informa que está com suspeita de covid-19 e precisou fazer a coleta de exame no local onde foi muito bem atendida pela referida profissional. Menciona que a mesma lhe passou bastante segurança, prestando um atendimento diferenciado. Com isso, deseja parabenizá-la pelo atendimento, bem como pelo profissionalismo.”

Nùmero de mortes em idosos de Curitiba caiu após início da vacinação
Aplicadores são homenageados pelos curitibanos vacinados. Foto: Lineu Filho
Unidade do Pilarzinho não te deixa no escuro

“Elogia o atendimento prestado por toda equipe da unidade de saúde Pilarzinho. Ressalta o cidadão que estava com sintomas de covid-19 e foi até a unidade para realizar o teste, que desde o atendimento na recepção até o atendimento final, os profissionais atenderam com extrema educação, qualidade e atenção. Ressalta que explicaram que pelo aplicativo Saúde Já o cidadão poderá verificar o resultado, mas que também entrariam em contato para informar o resultado.”