A Polícia Civil cumpre mandados judiciais nesta quinta-feira (10) em Curitiba e região metropolitana contra empresas e profissionais de saúde suspeitos de golpe nos próprios policiais da corporação. Os alvos são dois fisioterapeutas, um terapeuta ocupacional, um fonoaudiólogo, um psicólogo, uma enfermeira e quatro técnicas de enfermagem suspeitos de fraudes na prestação de atendimento a policiais vítimas de acidente de trabalho ou de confronto policial.

VIU ESSA? Concurso pra professor no Paraná pode sair ainda na gestão de Ratinho Jr

Foram bloqueados pela Justiça R$ 865 mil e veículos apreendidos. A proprietária de uma das empresas e uma enfermeira foram presas já na quarta-feira (9) por suspeita de terem coagido testemunhas durante o inquérito, além de forjarem documentos de ressarcimento de despesas médicas às vítimas.

LEIA MAIS – Primeiro caso de reinfecção por covid-19 no Brasil é confirmado pelo Ministério da Saúde

Os R$ 865 mil bloqueados seriam de ressarcimentos pagos pelo governo do Paraná a atendimentos médicos superfaturados pagos a partir de documentos falsos. As empresas estão proibidas de participar de licitação e de serem contratadas pelo poder público. Os suspeitos podem responder por estelionato majorado, associação criminosa, falsidade ideológica, uso de documento falso e falso testemunho. As penas somadas podem ultrapassar 20 anos de prisão, além de multa e ressarcimento ao poder público.