Para quem mora ou trabalha próximo à Praça Afonso Botelho, o legado da Copa do Mundo de 2014 foi um só: dor de cabeça. O projeto de revitalização da chamada “Praça do Atlético”, no Água Verde, se transformou em uma incômoda obra sem fim que se estende desde o início de 2014. E, os resultados que deveriam ser apresentados quando o evento passou pelo Brasil se transformou em um problema que persiste às vésperas da Copa do Mundo da Rússia, em 2018.

As razões para tanta demora são várias. Segundo a prefeitura, a situação é fruto de um atraso gerado durante a gestão passada, que dividiu o projeto em duas etapas e fez mudanças de projeto e no orçamento que atrasaram todo o processo. Além disso, o furto da fiação elétrica também atrapalhouo andamento dos trabalhos. Já de acordo com que moradores e comerciantes da região, todo esse transtorno que se estende por mais de três anos é porque a reforma foi feita e refeita ao longo de todo esse período.

Dono de uma barraca de caldo de cana no entorno da Afonso Botelho há mais de 20 anos, Antônio Peres conta que a divisão em duas fases serviu para que a prefeitura entregasse duas praças diferentes para a população, uma para ser usada durante a Copa do Mundo e outra que seria entregue posteriormente. “Eles desfizeram o próprio trabalho para construir tudo de novo. A praça que estava aqui em 2014 era bem diferente dessa que temos hoje”, relembra.

O proprietário de um estúdio de tatuagem na região, Rafael Kluber, não esconde sua revolta com a “revitalização temporária”. “Eles tiraram a calçada a antiga para colocar pavers [pequenos blocos retangulares de concreto]. Mas o novo calçamento ficou só para a Copa. Depois dos jogos, eles tiraram o novo e trouxeram o velho de volta. Todo aquele transtorno não serviu para nada”.

E, por mais estranha que seja essa ideia de desfazer a obra, esse retrabalho é algo que a própria prefeitura confirma que aconteceu. Por meio de sua assessoria de imprensa, a atual administração municipal explica que a ideia de uma readequação em duas fases não estava prevista inicialmente, mas que foi decidida pela gestão passada.

Com o custo de R$ 4.629.823,72 aos cofres da cidade, essa segunda etapa segue dando dor de cabeça mesmo depois de tanto tempo. Atualmente, todo o calçamento no entorno da Afonso Botelho foi retirado e quem caminha pela região precisa desviar de entulhos e pilhas de pedras e areia. Além disso, o trecho da rua Buenos Aires entre a praça e a Arena da Baixada segue interditada para a construção de uma travessia elevada. Isso sem falar do prédio que será ocupado pela da Secretaria Municipal de Esporte e Lazer, que segue isolado no interior da praça e cercado de compensados.

Prejuízos acumulados

Segundo a prefeitura, a nova previsão para o término da reconstrução da praça é para o mês de setembro. E, até lá, moradores e comerciantes precisam se lidar com os transtornos causados por essas obras. “Com a Buenos Aires fechada, meus clientes não têm como estacionar aqui perto e isso atrapalha bastante o meu movimento”, reclama Kluber.

Quem também acumula prejuízos é o vendedoobrr de caldo de cana. Como a reforma afetou o movimento de pessoas na Praça do Atlético, isso refletiu diretamente nos negócios. “Antes, eu vendia cerca de 120 copos de suco por dia. Hoje, são entre 60 e 70. Com a cancha fechada, o pessoal não vem mais para cá”, afirma Peres. Segundo ele, desde o início das obras, em 2014, ele já amargou mais de R$ 20 mil em prejuízo.

Questão de segurança

O atraso na entrega da praça também expõe um problema de segurança que preocupa moradores. O consultor Divonei Battisti Vicente conta que tem medo de deixar seu filho brincar em determinadas áreas da praça. “Se você for lá para cima, vai notar que está tudo sem luz e que o lugar foi tomado por usuários de drogas”, indica.

A situação chegou a um ponto que até mesmo as caixas de fiação que deveriam armazenar o cabeamento da rede elétrica acabaram se transformando em armários para moradores de rua e traficantes. “Você abre e encontra de tudo, menos fios. O pessoal guarda entulho, roupa e até drogas por aqui”, afirma Vicente enquanto revela o interior de uma dessas caixas. “Eu sempre quis morar aqui perto, mas só tenho tido dor de cabeça desde que vim”.