Um grupo de promotores de eventos e empresários de restaurantes de Curitiba fará um protesto na tarde desta quarta (19), em frente à prefeitura, contra os decretos que proíbem a realização das celebrações e que foi descumprido na semana passada pelo prefeito Rafael Greca.

LEIA TAMBÉM – Próximo fim de semana será de lockdown em Curitiba; confira o que abre e fecha

Com faixas e cartazes, os manifestantes querem mostrar a insatisfação por estarem há 14 meses sem trabalhar enquanto que a prefeitura promoveu um evento com convidados e música ao vivo em ambiente fechado na última sexta (14), para a inauguração do Memorial Paranista, no parque São Lourenço.

Nas imagens gravadas e divulgadas pelas redes sociais por pessoas presentes no evento, é possível ver medidas restritivas dos decretos sanitários sendo descumpridas pelo prefeito e demais convidados e autoridades, como a própria realização da celebração e a falta de distanciamento social. No começo desta semana, a seccional paranaense da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel-PR) levou o caso ao Ministério Público pedindo esclarecimentos.

Para a líder da manifestação desta tarde, a promotora de eventos infantis Rozandela Mazur, a prefeitura descumpriu normas que ela própria elaborou para todo o setor. Os eventos com aglomeração de pessoas estão proibidos em Curitiba desde março do ano passado.

VIU ESSA? Serial killer de Curitiba pode ter feito quarta vítima. Polícia investiga novo caso

“Queremos mostrar o nosso repúdio por não podermos trabalhar há mais de um ano e o prefeito fazendo eventos sem o mínimo de segurança ou os protocolos de higiene que são tão exigidos pro nosso setor voltar a funcionar, ele mesmo colocou a lei e passou por cima dela. Pra que colocar tanto dinheiro num museu que vai ficar fechado e não poder destinar verba para o setor de eventos?”, diz.

Ela conta que os promotores de eventos chegaram a elaborar protocolos seguros e mesmo assim seguem impedidos de trabalhar. Rozangela conta que não existe uma política pública de ajuda ao setor, e que medidas de ajuda como o Programa Emergencial de Retomada do Setor de Eventos (Perse), do governo federal, e o auxílio emergencial do Paraná são insuficientes e não chegam a todos os profissionais parados.

“O nosso setor é invisível, precisamos que alguém olhe por nós. Eles só falam, mas até a gente conseguir alguma coisa e o que eles oferecem para quem tem empresa é lamentável. Para quem está há um ano só acumulando dívidas, dá para imaginar a situação em que estamos”, completa.

O protesto será realizado presencialmente e também pelas redes sociais, para quem não puder estar na manifestação no horário marcado, mas sem a participação oficial de entidades representativas de classe.

LEIA AINDA – Alergias, efeitos colaterais, preferências. Dá pra escolher qual vacina contra covid-19 tomar?

Gabriela Carvalho, chef do Quintana Gastronomia, vai acompanhar a manifestação remotamente e diz que apoia o movimento por acreditar que proibir a realização de eventos afeta não apenas este setor, mas também os próprios restaurantes – muitas vezes usados como locação.

“Quando as soluções não acontecem e as ações continuam as mesmas e, para piorar, os líderes fazem exatamente o que não permitem outros fazerem, é desrespeito direto aos cidadãos. Queremos isonomia e respeito”, conclui.

A prefeitura de Curitiba foi procurada pelo Bom Gourmet Negócios sobre a manifestação e o procedimento da Abrasel-PR no Ministério Público, mas afirmou que vai aguardar manifestação da promotoria.

Prejuízos

Dados da Associação Brasileira de Promotores de Eventos (Abrape) mostram que, só em 2020, o setor teve perdas de R$ 4,65 bilhões, dentro de um universo de R$ 90 bilhões em faturamento que deixou de ser gerado direta e indiretamente. Foram mais de 450 mil postos de trabalho encerrados em todo o país.

LEIA AINDA – Cinco mil trabalhadores foram demitidos em restaurantes de Curitiba, maioria no lockdown

Rozangela é um destes afetados pelos decretos restritivos que proíbem a realização de eventos. Ela conta que tem sobrevivido com os auxílios emergenciais, e só consegue trabalhar quando a bandeira dá uma aliviada.

“Tive que readequar o sistema de festas, reduzir valores e trabalhar com uma margem muito menor e trabalhar para que as festas fossem feitas apenas para familiares, tanto que os eventos que eu produzo são sempre seguindo os protocolos e deixando muito claro para os clientes”, esclarece.

Para ela, a queda de faturamento foi de 80% desde o começo da pandemia, com paralisação completa nas bandeiras vermelha e laranja, por causa da proibição.

A manifestação em frente à prefeitura de Curitiba está marcada para as 14h30 desta quarta (19).

Segundo ato

A manifestação desta tarde tem um motivo semelhante à promovida em fevereiro, quando cerca de 250 empresários dos setores de alimentação fora do lar e eventos, segundo a Guarda Municipal, se reuniram na Praça 29 de Dezembro para mostrar os impactos sofridos pelo segmento desde que a pandemia começou no Brasil.

Na ocasião, empresários ouvidos pelo Bom Gourmet Negócios relataram perdas e dívidas milionárias, além da falta de uma ajuda mais efetiva do poder público.