Uma quadrilha destruiu boa parte da agência do Banco do Brasil, na Avenida Getúlio Vargas, centro de Piraquara. Por volta das 3h desta terça-feira (21), os bandidos entraram no banco e instalaram o explosivo na parte de cima de um dos caixas. A detonação danificou não só a área de autoatendimento, mas quase a agência inteira. Entretanto, o caixa alvo não abriu.

A calçada em frente à agência parecia um tapete de vidro estilhaçado, e pedaços dos caixas estavam espalhados no prédio. Todos os terminais foram danificados. “‘Parecia cena de outro mundo. Desse jeito vamos ficar sem banco”, alarmou o aposentado Hilário Moura, que foi embora sem sacar dinheiro. A aglomeração de curiosos, com as câmeras dos celulares apontadas para o banco destruído, fez o local parecer ponto turístico.

Expediente

Apesar da violência da explosão, a clínica de odontologia e o centro de ensino que funcionam no andar de cima não foram afetados. Funcionários da empresa de segurança do banco disseram que, provavelmente, os bandidos não conseguiram levar o dinheiro. A Polícia Federal investiga o crime. Ainda não há previsão de reabertura da agência, enquanto isso os moradores pode fazer algumas operações nos Correios ou nos dois correspondentes bancários da cidade.
 
De acordo com o Sindicato dos Vigilantes de Curitiba e Região, só este ano, até ontem, foram 283 ataques a agências, caixas eletrônicos ou estabelecimentos vinculados. Desse número, foram registrados pelo sindicato 130 explosões de caixas eletrônicos, 88 arrombamentos a esses equipamentos, 45 assaltos ou tentativas a banco, cinco “saidinhas de banco”, 14 assaltos a lotéricas e um assalto a carro-forte.

A Câmara de Curitiba discute projeto de lei que proíbe instalação de caixas eletrônicos fora de agências. O sindicato quer que os bancos coloquem os equipamentos na área protegida por porta giratória.