Uma quinta pessoa suspeita de estar envolvida na morte da gerente da Caixa Econômica Federal, Tatiana Lorenzetti, de 40 anos, foi presa nesta quarta-feira (06), em Curitiba. Trata-se de Moisés Gonçalves, 21 anos, que segunda a polícia, é suspeito de ter sido o intermediador entre Antônio Henrique dos Santos, ex-marido de Tatiana com outros três homens.

A gerente morreu após ser baleada com um tiro, em frente à agência onde trabalhava, no dia 28 de dezembro de 2020 e segundo investigação, o crime foi cometido a mando de Antônio que pretendia ficar com a guarda da filha e ainda receber o seguro de vida.

+Leia mais! Morre Marcelo Puppi, prefeito de Campo Largo, vítima de covid-19

De acordo com a polícia, Antônio entrou em contato com Moisés para “alinhar” o pedido. A função de Moisés era conseguir outras pessoas para assassinar a gerente. Thales, André e Neguinho concordaram em estar na ação. Neguinho foi quem atirou, mas foi morto na sequencia após confronto com a Polícia Militar.  

A defesa de Moises relatou em entrevista à RPC que o cliente não teve participação direta no crime. “Ele não foi mandante, ele não participou diretamente de nenhum ato para a prática desse crime horrendo e cruel, muito menos teve participação anterior aos fatos, durante a execução e posterior”, disse o advogado Igor José. Além de Moises, Thales, André e Antônio seguem presos.