O Hospital de Clínicas (HC) de Curitiba participa de pesquisa internacional que avalia a eficácia de um medicamento para a covid-19 com 400 voluntários de diversos países. A participação do hospital da Universidade Federal do Paraná (UFPR) é na fase 3 de testes, a última – assim como o HC participou em 2020 da pesquisa da vacina Coronavac, desenvolvida na China e produzida no Brasil pelo Instituto Butatan.

Os pesquisadores do HC já aplicaram o medicamento em parte dos voluntários no fim de 2020 e vão contar com mais voluntários a partir de abril.

+ Leia mais: Fila gigante! Prefeitura pede que população siga orientação de horários para evitar aglomeração

Testes feitos em 75 pacientes com covid-19 nos Estados Unidos aponta eficácia do medicamento. Após cinco dias de tratamento em pessoas com até sete dias de infecção, nenhum paciente medicado com o antiviral teve evidência do Sars-CoV-2, o coronavírus causador da covid-19.

Já 24% dos pacientes que tomaram placebo, substância sem efeito, continuavam com o vírus. Assim como em outros países, os pacientes que participarem dos testes no HC serão tratados cinco dias com acompanhamento por sete meses.

O resultado do estudo nos Estados Unidos foi apresentado na 22ª Conferência sobre Infecções Oportunistas e Retrovirus, um dos mais importantes eventos médicos de doenças infecciosas, que neste ano foi dedicado à pandemia. Além da covid-19, o medicamento também já se mostrou eficaz no tratamento de outros tipos de coronavírus, como o Sars, que causou epidemia na China em 2003, o Mers, que atingiu os países do Oriente Médio em 2012.

+ Leia também: Iniciativas ajudam no combate à fome no Paraná na pandemia; veja como doar

A coordenadora do estudo no HC, a médica infectologista e professora do curso de Medicina da UFPR Mônica Gomes, ressalta a importância do estudo, já que até aqui não há nenhum medicamento de eficácia comprovada no tratamento da covid-19. “Hoje, não existe antiviral que combata a multiplicação do vírus da covid-19 na fase precoce da doença. Por isso, essa descoberta é tão importante no combate à pandemia”, enfatiza Mônica em nota do HC.