A Executiva Nacional do PSL aprovou, nesta terça-feira (28), por unanimidade, a convocação de convenção partidária para votar a fusão do partido com o DEM. Se acontecer, a fusão colocará dois rivais políticos sob a mesma legenda no Paraná: o prefeito de Curitiba, Rafael Greca (DEM) e o deputado estadual Fernando Francischini (PSL) que, inclusive, já foi indicado como presidente estadual da nova legenda.

Francischini e Greca foram adversários nas eleições municipais do ano passado, com o deputado do PSL fazendo uma série de ataques e acusações ao prefeito, que acabou reeleito. Ao mesmo tempo em que falam em composição, diálogo e tentativa de aparar arestas, os integrantes do futuro novo partido admitem que poderá não haver clima para os dois na mesma legenda.

+ Leia mais: Cinco atrações diferentes para conferir em Curitiba

“Se o prefeito quiser, ele pode ficar no partido. Não vejo problema. Temos uma composição com o Pedro Lupion (atual presidente estadual do DEM); eu sigo na presidência do partido, para montar uma chapa de deputados federais para ele e para o Felipe (Francichini – PSL), e vamos fazer um gesto ao Greca. Vamos convidá-lo a permanecer no partido, ouvindo qual o projeto político dele. Mas não vejo muita possibilidade de ele ficar no partido”, disse Francischini.

“As aprovações nas executivas foram de autorização de realização de convenção. Ainda há necessidade da convenção. Tem estados com algumas dificuldades. No Paraná, não temos muitos problemas, mas temos o desafio de Curitiba. Hoje, não há solução para o impasse”, admitiu Pedro Lupion.

+ Veja também: Rede de atacarejo inaugura nova loja de Curitiba até dezembro; veja onde, vagas e detalhes da filial

“Todos temos que tomar decisões do que fazer. É uma vantagem para os deputados estaduais. Os deputados federais precisam decidir o futuro, abrirá a janela, há uma questão de posicionamento, eu vou apoiar o presidente, e esse partido não tem isso definido ainda. Eleitoralmente, fica muito positivo, mas existem questões de posicionamento que precisam ser avaliadas”, acrescentou, dizendo que, por isso, ainda não fez comunicado oficial, não conversou com os presidentes municipais e nem com os prefeitos. “Até porque não há a definição”.

+ Veja o que os vereadores de Curitiba e o próprio Greca acham dessa fusão!