A chuva abaixo da média em abril ligou novamente o alerta da Companhia Paranaense de Saneamento (Sanepar) sobre o nível dos quatro reservatórios que abastecem Curitiba e região metropolitana, atualmente em 55,16%. Se o nível cair a 50% e as condições climáticas não preverem chuvas o suficiente, a Sanepar vai rever o atual rodízio no abastecimento de água. Neste caso, seria deixado o cronograma atual de 60 horas com água por 24 horas sem abastecimento que está em vigor desde março para voltar o rodízio de 36 horas com água por 36 horas sem fornecimento.

+Leia mais! Falta de água em Curitiba e região nesta sexta-feira. Veja bairros afetados!

“Há chuvas previstas para a semana que vem. Se for em um bom volume, conseguimos postergar o retorno do rodízio de 36 horas por 36 horas”, explica o diretor de Meio Ambiente e Ação Social da Sanepar, Julio Gonchorosky. A chuva registrada em abril deste ano chegou a 11,2 milímetros, bem abaixo que em abril de 2020: 21 milímetros.

Com a pouca chuva de abril, o sistema de Curitiba e região metropolitana perdeu 5,4% de seu volume. A perda praticamente equivale ao volume recuperado em janeiro, quando as barragens subiram 5,8%. “Em abril o volume de chuva foi completamente atípico, praticamente zerando o que conseguimos em janeiro”, compara Gonchorosky.

“A expectativa era de que em abril chovesse pelo menos 60% da média histórica. Mas choveu menos de 10%”, afirma o diretor. A situação só não é pior porque as chuvas entre fevereiro e março permitiram um alívio no sistema, subindo 11% neste período.

Consumo responsável

Com o nível de armazenamento nas represas caindo, a Sanepar enfatiza a importância de a população manter o consumo responsável de água, sem desperdício. Atualmente, a economia individual no consumo está em 15%. Porém, a Sanepar precisa que esse índice chegue a 20% de economia individual para evitar problemas no abastecimento.

Para que o rodízio seja completamente suspenso, a Sanepar precisa que o sistema alcançe 80% de sua capacidade de armazenamento de água. O Paraná enfrenta desde o fim de 2019 a pior estiagem da história.