Os 673 dias de rodízio no fornecimento de água em Curitiba e municípios da Região Metropolitana trouxeram uma economia de 89,8 bilhões de litros de água, que evitou o colapso do sistema. A quantidade é o equivalente a quase o dobro da capacidade de armazenamento da represa do Passaúna, que é de 48 bilhões de litros de água. O racionamento acabou nesta quarta-feira (19).

Esse número só foi alcançado graças à combinação das medidas que incluíram cerca de 20 obras e ações para obter novas fontes de captação e ao atendimento da população à META20 com o uso racional da água. O volume economizado equivale à soma de três barragens do Sistema de Abastecimento Integrado de Curitiba e Região Metropolitana (SAIC): Passaúna, Piraquara I e Piraquara II.

LEIA TAMBÉM:

>> Sanepar confirma fim do rodízio em Curitiba e região após 22 meses de restrições

>> “Lei Jaime Lerner” quer tornar obrigatório reuso da água nos lava-jatos de Curitiba

Ao longo desses 22 meses, o objetivo da Sanepar foi recuperar o nível das barragens, que chegaram ao seu momento mais crítico em 11 de novembro de 2020 com média de 26,77% de reservação.

O conjunto de ações e obras implementadas seguiu o protocolo de gestão de crise da Companhia e foi sendo aprimorado e acelerado ao longo do período. A relação inclui desde captações emergenciais, transposições e obras estruturantes, até o uso de novas tecnologias, como a semeadura de nuvens para induzir chuvas na cabeceira dos rios das bacias de abastecimento e um programa de financiamento de startups (empresas de inovação) que está disponibilizando R$ 1,5 milhão para os projetos.

As medidas não dispensaram nem mesmo as alternativas com menor performance. Um exemplo é a reativação da captação de água do Reservatório do Carvalho, nos Mananciais da Serra, levando água à Barragem do Piraquara I. Construído em 1906 e desativado em 2004, o Carvalho foi acionado novamente pela Sanepar em meados de 2020 para buscar 15 litros por segundo.

Na ponta extrema, a Sanepar antecipou em cinco anos a sobreposição do Rio Capivari, e investiu cerca de R$ 55 milhões para iniciar a operação de um sistema que permitirá levar até 1,2 mil litros por segundo à barragem do Iraí, vencendo uma distância de 51 quilômetros.

Meta20

Uma projeção do comportamento das barragens, sem as ações implementadas, principalmente o rodízio, mostra que o sistema teria entrado em colapso em outubro/novembro de 2020, quando as barragens teriam atingido níveis entre 12,7% e 13,1%, o que praticamente inviabilizaria o fornecimento de água. E este cenário de colapso se repetiria a partir de julho/agosto de 2021, quando os níveis chegariam a 11%, baixando até 4,5% em outubro de 2021.

O diretor-presidente da Sanepar, destaca o esforço concentrado da Companhia em todas as ações e lembra que a participação da população, que aderiu prontamente à campanha META20 foi fundamental. “Trabalhamos muito. Sempre ampliando as soluções. A população ajudou muito. A campanha para diminuir o consumo em 20% foi incorporada plenamente. Obtivemos uma economia média de 17,17%. Começamos em agosto de 2020 e, dois meses depois, já havíamos batida a meta que foi repetida em setembro e outubro de 2021”, disse.

O rodízio, que se iniciou em 17 de março de 2020 para bairros da Região Sul de Curitiba e cidades da RMC (Sul) em função de queda de vazão nos pontos de captação, registrou seis configurações. E até esta semana estava no modelo de três dias e meio com água e até um dia e meio sem água.

Pantanal

Juma atira nos pés de Jove

Loterias

Veja o resultado das loterias desta terça-feira!

Inverno Chegou

Veja como será o primeiro dia de inverno em Curitiba

Além da Ilusão

Lorenzo declara seu amor por Letícia