Morreu neste sábado, aos 67 anos, o cantor Roy (Roedil) Caetano. Apesar de nascer em Santos (SP), o artista veio muito pequeno para Curitiba, onde fez grande sucesso regional na década de 1980, sendo um dos mais reconhecidos interpretes do Rei Roberto Carlos. Foi o compositor da música Julieta e chegou a fazer sucesso nos Estados Unidos, vendendo 1 milhão de cópias.

Roy vivia há alguns anos na cidade de Arraial D’Ajuda, na Bahia, e teve um infarto fulminante após buscar atendimento numa unidade de saúde e ser mandado de volta para casa.

+ Leia também: Considerada “a voz do milênio”, Elza Soares morre aos 91 anos

“O Roy se considerava curitibano, pois veio muito jovem para cá. Gravou seu primeiro disco pela Chantecler Continental em 1981 e teve muitos de seus sucessos tocados nas rádios de Curitiba”, lembra Mario Neto, coordenador artístico da Rádio Banda B. Quem não se lembra do refrão: “Julieta, ta. Tá me chamando. Julieta, ta. Tá me chamando”. Roy compôs essa música com FC Santos e Enoque Gomes.

Relembre o sucesso!

O cantor ficou famoso por interpretar músicas do rei Roberto Carlos e gravou uma série de canções suas. Mas era na intepretação de Luzes da Ribalta, de Charles Chaplin, que Roy chegou a seu grande momento. “Ele fez um show memorável. Ele entrava no palco vestido de palhaço cantando Luzes da Ribalta, e emendava com o Sonho de um Palhaço, do Antônio Marcos. Ele cantava e ia tirando a maquiagem e quando terminava era ovacionado”, lembra o radialista Mario Neto.

Já aposentado, comprou uma pousada em Arraial D’Ajuda e vinha cuidando no local desde então. Quando o espaço enchia, pegava um microfone e cantava para os hóspedes de vez em quando. Pela manhã, no sábado, sentiu-se mal e procurou uma Unidade de Saúde. Recebeu uma prescrição médica simples (chegou a discutir com a profissional da saúde) e foi pra casa.

Se acalmou, falou com uns parentes e teve um infarto fulminante em seguida.