Uma lombada eletrônica foi instalada em frente ao Jardim Botânico, na Rua Engenheiro Ostoja Roguski, em Curitiba. O equipamento foi retirado da Rua Mateus Leme, que está em obras para a implantação de um binário, mas ainda precisa passar por uma vistoria para entrar em funcionamento – o que está previsto para as próximas semanas. O redutor eletrônico de velocidade atende à solicitação de moradores do bairro e visitantes do parque, que reclamam da imprudência de motoristas na via.

O artesão Francisco Karakawa, 72 anos, aguarda ansioso pela ativação do aparelho. Morador da região desde 2015, ele já acompanhou diversos acidentes relacionados à alta velocidade em frente ao cartão postal da cidade. “A última colisão aconteceu esses dias, quando um carro freou para um pedestre passar, mas outro veículo veio em alta velocidade e bateu na traseira dele”, relata.

Segundo o editor de vídeo Elder Julião Bernardo, 26 anos, muitos visitantes que deixam o parque de carro também entram na via desatentos e correm o risco de colidir com veículos em alta velocidade. “Tudo por não respeitar a sinalização”, pontua.

Com tanta imprudência, quem sofre são os pedestres, como Willyan Pereira, 23 anos, que sente dificuldade para atravessar a via. “Não são todos, mas uma boa parte dos condutores não respeita quem está passando a pé. Aí, se passamos na frente do carro, eles xingam”, lamenta. A situação – de acordo com ele – é ainda pior no fim de semana, quando também acontece uma feira na Rua São Januário, próxima do parque.

Por isso, os moradores concordam que a instalação da lombada é uma maneira de evitar novos acidentes. “Tanto que ela ainda nem está funcionando, mas os veículos já diminuem ao passar por aqui”, comenta Elder. “Algo precisava ser feito para que os carros diminuíssem a velocidade”, completa o visitante José dos Santos, 72, que caminha diariamente no parque.

Lombada elevada

No entanto, eles afirmam que apenas reduzir a velocidade não resolve totalmente o problema. Como o espaço é frequentado por muitas famílias com crianças, a via também deveria contar com uma lombada elevada para que os motoristas parassem o carro no momento em que avistassem alguém tentando atravessar.

“Sempre vejo pessoas esperando muito tempo para chegar ao outro lado da rua e acredito que a lombada elevada seria a melhor opção para garantir mais segurança pra elas”, afirma o taxista Nadir Acir Maia, 64, que trabalha todos os fins de semana em frente ao Jardim Botânico.

Entretanto, de acordo com a Secretaria de Trânsito de Curitiba (Setran), não é possível instalar uma lombada elevada no local devido à parada da Linha Turismo em frente ao parque. Por isso, uma equipe da prefeitura avaliou as opções viáveis e optou pela barreira eletrônica por, “facilitar a travessia de pedestres, reduz a velocidade dos veículos”.

Ainda segundo a pasta, é necessário aferir o equipamento antes de colocá-lo em funcionando. Isso deve ocorrer nas próximas semanas e será divulgado antecipadamente pela prefeitura, pois o equipamento notificará todos os veículos que excederem à velocidade de 40 km/h.

Radar remanejado

A secretaria também informa que um radar na Rua Campos Sales, no Alto da Glória, foi remanejado por aproximadamente 250 metros na mesma via. A mudança foi necessária devido ao alto número de acidentes registrado nos últimos meses e também por existir uma escola próxima. “Foi um pedido da comunidade local para dar maior segurança no trânsito e aos pedestres que circulam pela região”, informa a prefeitura. No entanto, ainda é necessária a aferição do equipamento antes que ele comece a funcionar.