As reclamações dos moradores da Rua Alberto Balhana, em Santa Felicidade, em Curitiba, sobre o esgoto fétido que estava tomando conta da rua e de algumas casas, fizeram com que a empresa de Saneamento do Paraná (Sanepar), fosse até o local, para investigar a causa do problema. Após a realização de vistorias no condomínio e em cerca de 40 imóveis na região, a empresa informou que encontrou irregularidades na rede coletora de esgoto e que fez a manutenção nesta rede, além de corrigir obstruções na galeria.

“A Sanepar executou manutenção corretiva na rede coletora de esgoto, onde foram identificados pontos de obstrução causados pela má utilização da rede. O condomínio agendou o início das vistorias técnicas nas ligações de esgoto em todos imóveis para verificar se há alguma irregularidade”, esclareceu a Sanepar, em nota

LEIA MAIS: Bombeiros apagam incêndio em chaminé de tradicional costelão de Curitiba

Ainda de acordo com a empresa, “na vistoria, foram encontradas algumas irregularidades como água de chuva ligada na rede coletora de esgoto, falta de caixa de gordura, ramal interno obstruído ou rompido, falta de interligação à rede de esgoto. Os proprietários dos imóveis foram orientados pela Sanepar para regularizar a situação a fim de que, o sistema de coleta seja melhor utilizado e não haja problemas como refluxo de esgoto e danos ambientais”.

A Sanepar também afirmou, na nota enviada à Tribuna do Paraná, que em nenhum momento se isentou de prestar atendimento à população, além de não ter se eximido e nem ter atribuído responsabilidade à Prefeitura. “Tanto é que desde o primeiro momento, [A Sanepar] passou a vistoriar a rede que atende aquela região e está dando continuidade a esse processo de identificação do problema para resolver, conforme foi informado para o jornal”.

O que diz o condomínio?

Procurado pela reportagem, o administrador do condomínio Villa Verona, citado na matéria anterior por uma moradora, também se manifestou. O administrador – que preferiu não se identificar – afirmou que em nenhum momento impediu a entrada da equipe da Sanepar no local e que o funcionário responsável pelas manutenções no condomínio é orientado a receber os funcionários da empresa e, em casos de dúvidas, a ligar para ele.

Segundo o responsável pelo Villa Verona, a propriedade possui um engenheiro contratado por sua empresa, além de contar com todas as licenças em dia. Ele ainda afirmou que, ao saber da alegação dos moradores da Rua Alberto Balhana, se prontificou a colaborar com a equipe técnica da Sanepar.

LEIA TAMBÉM: Agência reguladora manda baixar pedágio Curitiba/Litoral, um dos mais caros do PR

“Sempre corremos atrás, para não atrapalhar ninguém, temos todos os alvarás aprovados, inclusive da Sanepar. Algumas casas são de inquilinos, e durante a vistoria da Sanepar, eles perceberam pequenas irregularidades causadas pelos próprios moradores e solicitaram adequação em caixas de gordura. Em cada casa, colocamos uma caixa de gordura, mas alguns dos inquilinos podem ter retirado, por algum motivo. A rede não passa pela pluvial, ela é independente. Chamamos o encanador e ele não identificou o problema, o que reforça que não existem problemas aqui no condomínio”, explica o administrador.

O gestor do condomínio confirmou que das 20 casas sob sua responsabilidade, pelo menos cinco delas estavam sem a caixa de gordura da parte da churrasqueira, e que os moradores foram notificados para que elas fossem reinstaladas.

Ainda de acordo com ele, há aproximadamente sete anos, já havia sido feita uma adequação no condomínio, devido a um problema de declividade da rua, que fazia com o esgoto entupisse. Para o administrador, a suspeita é de que a inclinação de mais algumas ruas na proximidade esteja contribuindo para agravar o problema dos vizinhos. “Em minha opinião, é por causa do declive da rua, e o problema pode ser por causa de várias casas que estão sem a caixa de gordura ou que estão com ligação direta no esgoto, que acaba entupindo”, completa o proprietário.

Relembre o caso

Cansados de promessas, moradores da Rua Alberto Balhana, em Santa Felicidade, pedem uma solução para os problemas causados pelo esgoto. “Nosso contato com a Tribuna é um pedido de socorro. Moramos em uma rua curta, e no final dela existe um condomínio. Nós temos a informação de que eles não têm o ponto de esgoto e ligaram no sistema da nossa rua. Já pedimos para a Sanepar vir, mas o pessoal que mora lá não permite o acesso dos funcionários da Sanepar para ver onde está o problema”, disse Sandra Mara.

LEIA AINDA – Paraná antecipa 13º salário de quase 265 mil servidores, pensionistas e aposentados

Segundo ela, a própria Sanepar confirmou que fizeram a ligação na rede de esgoto e quando chove estoura tudo na rua. “Tem pessoas doentes e o esgoto está entrando nas casas. A conta de água só aumenta, porque temos que usar mais água para limpar toda a sujeira. Vem esgoto com fezes, o cheiro é insuportável, não aguentamos mais”, desabafa.

Problema com o vizinho?

A principal suspeita, segundo Sandra e alguns moradores, é de que o tal condomínio, localizado a alguns metros dali, seja a razão do problema. Tudo teria começado depois de sua construção e o problema foi se agravando com o passar do tempo. O local supostamente não teria ligação adequada no sistema de esgoto e estaria utilizando o sistema fluvial da Rua Alberto Balhana.

LEIA MAIS – Volta às aulas nas escolas particulares no Paraná é negada pela Justiça

Com o volume de água, a tubulação não consegue vencer o escoamento e aí alaga tudo. “Eles não têm ponto de esgoto. Quando chove, é cocô na rua inteira. Deve ter umas 30 a 40 casas dentro do condomínio e (a tubulação) não vence. Chegamos a pedir para que Sanepar fosse vistoriar o condomínio, mas eles não permitiram a entrada, o que nos leva acreditar que eles estão irregulares”, explica.