O Santuário de Nossa Senhora de Guadalupe, no Centro de Curitiba, tem grande chance de se mudar para outra área da cidade. A informação foi confirmada pelo arquiteto Adolfo Sakaguti, consultor do padre Reginaldo Manzotti, pároco do santuário, após o anúncio semana passada de que a prefeitura pretende transformar a região em um polo de turismo religioso e, consequentemente, revitalizar o entorno do Terminal Guadalupe, uma das áreas mais degradadas do Centro de Curitiba.

A revitalização foi discutida com o prefeito Rafael Greca e será coordenada pelo Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (Ippuc). A proposta é modificar radicalmente o entorno, com a construção de uma praça elevada, do mesmo nível da igreja, em cima do terminal, que recebe linhas intermunicipais vindas da Região Metropolitana de Curitiba. O planejamento pretende renovar a área, com terminais turísticos, shopping e estacionamento.

De acordo com Sakaguti, diversos estudos estão sendo feitos pelo santuário católico para encontrar um local que ofereça infraestrutura adequada para os milhares de fieis brasileiros que viajam até Curitiba para conhecer o padre. “O Centro não comporta mais uma multidão dessas. Há uma grande chance do santuário sair dali. De outra forma, o trânsito vai se sufocar. A área construída é pequena. E o turismo religioso precisa ser feito de uma forma confortável para os fieis e para a cidade”, explica.

Se a mudança acontecer, o que pode demorar anos até uma nova construção ficar pronta em outro bairro, o edifício da igreja pode passar a ser uma paróquia novamente.

“A revitalização vai acontecer. É uma vontade da prefeitura de requalificar aquela área. Mas provavelmente em uma escala muito menor para não deixar o entorno confuso”, confidencia Sakaguti. “E o valor histórico dos imóveis precisa ser preservado: do templo, das construções pequenas ao lado, das lojinhas.”

A assessoria de comunicação do padre Reginaldo Manzotti não confirma a informação. O Ippuc reforça que as imagens divulgadas são apenas um conceito e não o projeto final para a área, que entrou novamente no radar da prefeitura.