Realizada na tarde desta quarta-feira (14), a reunião entre sindicalistas e representantes da prefeitura de Curitiba para tratar de detalhes do “pacotaço” enviado pelo prefeito Rafael Greca (PMN) à Câmara terminou sem grandes avanços. Os projetos seguem tramitando sob regime de urgência e devem ser votados já na próxima terça-feira (20), conforme a programação inicial. Os servidores municipais, por sua vez, aprovaram a continuidade da greve e devem trabalhar para ampliar a adesão ao movimento.

O encontro foi realizado na prefeitura de Curitiba, onde o secretário de Governo municipal, Luiz Fernando Jamur, recebeu representantes de sindicatos de servidores municipais e vereadores. A principal reivindicação dos sindicalistas era que a prefeitura se comprometesse a retirar a urgência da tramitação do “pacotaço”, para que os projetos fossem submetidos a uma discussão mais ampla. O pedido, no entanto, foi rechaçado pela administração municipal e pelos vereadores da base de Greca, o que irritou os servidores.

“Saímos sem nenhum avanço. Esperávamos que a urgência fosse revogada. Os vereadores não assumem esse compromisso. A prefeitura simplesmente não respeita seus trabalhadores”, disse a coordenadora do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais (Sismuc), Irene Rodrigues, em transmissão ao vivo feita pelo sindicato, por meio das redes sociais.