As Lojas Havan de Curitiba foram obrigadas a fechar na tarde desta quinta-feira (2) pelas equipes da Secretaria de Urbanismo da prefeitura. A rede seguia aberta desmo com o decreto estadual que proíbe o funcionamento do comércio não essencial pelos próximos 15 dias que vem sendo acompanhado pelas prefeituras de sete regionais, entre elas a capital e região metropolitana.

Em Curitiba, a secretária de Saúde, Márcia Huçulak, confirmou o fechamento de duas grandes redes de lojas na tarde desta quinta-feira. Segundo a assessoria da prefeitura, os estabelecimentos foram as Lojas Havan e as Lojas Americanas, que foram obrigadas a parar imediatamente com as atividades de comércio na capital.

O decreto, que proíbe o comércio não essencial, passou a valer na quarta-feira (1º), com o objetivo de conter a pandemia do coronavírus. A Havan então, para não fechar as portas, passou a vender alimentos para ser classificada como dentro do setor de comércio essencial.

VIU ESSA? – Supermercados alertam pra corrida por produtos com novo decreto da covid-19 no Paraná

A estratégia gerou polêmica e não deu certo em Curitiba. Mas na região metropolitana, a rede segue vendendo arroz, sardinha e até atum. O problema é que os clientes de uma loja de Colombo, na região metropolitana, procuraram o Procon para reclamar dos preços. Segundo as denúncias, um pacote de 5 kg de arroz custa cerca de R$ 22 na loja.

De acordo com a diretora do Procon-PR, Cláudia Silvano, as Lojas Havan no Paraná foram notificadas para explicar o preço considerado elevado do arroz. Em média, nos supermercados, 5 kg de arroz custam cerca de R$ 12, quase metade do valor na Havan. “Uma coisa é a questão do alvará, que não é atribuição do Procon. Outra é o preço. Arroz é um produto da cesta básica. Há uma diferença de preço em relação ao mercado, por isso estamos investigando”, disse a diretora.

Ainda segundo o Procon-PR, a empresa foi notificada para apresentar justificativa para o valor de venda. “Buscamos informações sobre o preço que comprou e por quanto vendeu”, conclui a Claudia Silvano.

VEJA MAIS – UTIs de Curitiba têm alívio na ocupação, mas 85% dos internamentos são graves

Caso a prática de preços abusivos seja constatada, a Havan pode ser multada. Os valores das multas variam entre R$ 600 a R$ 8 milhões. A rede de lojas foi procurada pela reportagem, mas não quis se pronunciar sobre o caso.

Tipo de alvará

A prefeitura de Colombo, responsável pela emissão de alvarás, foi procurada pela Tribuna para explicar qual é o tipo de alvará que as Lojas Havan possuem na cidade. Até o fechamento da matéria, a reportagem ainda aguardava resposta para atualizar as informações.


A Tribuna precisa do seu apoio! 🤝

Neste cenário de pandemia por covid-19, nós intensificamos ainda mais a produção de conteúdo para garantir que você receba informações úteis e reportagens positivas, que tragam um pouco de luz em meio à crise.

Porém, o momento também trouxe queda de receitas para o nosso jornal, por isso contamos com sua ajuda para continuarmos este trabalho e construirmos juntos uma sociedade melhor. Bora ajudar?