A Polícia Civil do Paraná investiga se um caso ocorrido em 30 de abril passado pode ser considerado como uma quarta investida do serial killer de Curitiba que já tirou a vida de pelo menos três rapazes nos últimos trinta dias. O suposto assassino, identificado como José Tiago Correia Soroka, atua sempre do mesmo modo, investindo contra rapazes homossexuais que moram sozinhos, que têm parentes distantes e que se relacionam através de aplicativos de relacionamentos.

+Viu essa? Vítimas de serial killer demonstravam amor pela vida e humor nas redes sociais

Segundo o delegado Thiago Nóbrega, esta quarta vítima também era homossexual, morador do Lindoia. “Morava em um apartamento e foi encontrado na cama, morto, sem sinais de violência”, explicou o delegado. O corpo da quarta vítima foi encontrado no dia 30 de abril em circunstâncias semelhantes às três vítimas já identificadas. A vítima foi patrão de José Tiago e acabou o demitindo em fevereiro deste ano. Exames vão comprovar ou não a autoria do crime.

De acordo com a investigação, nas três mortes (duas em Curitiba e a outra em Santa Catarina), Soroka escolheu as terças-feiras para agir, ou seja, fica o alerta para as próximas horas. Ainda na investigação os policiais descobriram que Soroka se compara ao Coringa, personagem inimigo do Batman nos cinemas.

Um sobrevivente

Há ainda uma outra situação, com outro rapaz morador do bairro Bigorrilho, que acabou sobrevivendo às agressões de José Tiago. Ele teria agredido e roubado o rapaz.

Entenda o caso Serial Killer de Curitiba

De acordo com a PCPR, José Tiago Soroka é o responsável pelas mortes do enfermeiro David Júnior Alves Levisio, 28 anos, ocorrida no dia 27 de abril, e do estudante de medicina Marco Vinício Bozzana da Fonseca, 25 anos, morto no dia 4 de maio. Esses dois crimes foram na capital paranaense, na região do bairro Portão. Na ocasião da morte do estudante de medicina, a Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) chegou a divulgar nota de pesar em suas redes sociais.

A terceira ocorrência foi a morte de Robson Olivino Paim, no dia 16 de abril, em Abelardo Luz. Ainda segundo a PCPR, no dia 11 de maio, o homem tentou matar mais um homossexual no Bigorrilho, em Curitiba. Na ocasião, a polícia diz que a vítima conseguiu resistir ao ataque, mas teve alguns bens roubados. Ele teve esta frieza de falar para a vítima que ele era o Coringa e que gostava de matar. Estamos diante de um psicopata, um serial killer, que não mede esforços. Não sabemos se isso é coincidência ou mesmo um planejamento, e por isso nosso alerta e a divulgação das fotos deste cidadão”, disse Thiago Nóbrega, delegado da DHPP.

Segue foragido

A Polícia Civil solicita a colaboração da sociedade com informações que auxiliem na localização do procurado. As denúncias podem ser feitas de forma anônima pelos telefones 197 da PCPR, 181 Disque Denúncia ou pelo 0800-643-1121, diretamente à equipe de investigação.