José Thiago Soroka, suspeito de ter matado três homossexuais, dois em Curitiba e um em Santa Catarina, explicou para a polícia o motivo de ter escolhido homossexuais como vítimas.

Em depoimento gravado pela Polícia Civil e veiculado com exclusividade no jornal Boa Noite Paraná, da RPC, Soroka disse que os gays aceitavam com mais facilidade com que ele entrasse no apartamento. Segundo o suspeito, seria mais difícil convencer uma mulher de um primeiro encontro direto em casa.

LEIA TAMBÉM:

>> Serial killer de Curitiba deixava sua “assinatura” na cena do crime; veja detalhes do depoimento à polícia

O suspeito, preso no último sábado (29), deu detalhes a respeito dos crimes em que é acusado. Ele pedia para que suas vítimas virassem de costas e então ele aplicava um “mata-leão”, um golpe de estrangulamento. “Quando apagava, eu colocava [o corpo] em cima da cama”, revelou em depoimento. Ao sair, Soroka levava os pertences das vítimas.

Além dos três homicídios, José Thiago Soroka também é investigado de outros crimes, como roubo e violência doméstica. De acordo com as informações prestadas por Soroka, a polícia estima que possam haver entre 10 e 20 pessoas possam ter sido vítimas de roubos do suspeito.