Profissionais e clientes que estiveram em shoppings na retomada das atividades em Curitiba, na segunda-feira (25), relataram preocupação com a possibilidade de propagação de Covid-19. Mas a experiência de outras cidades que fizeram a reabertura há mais de um mês mostra que ela, por si só, não causou um impacto direto no número de casos positivos para o coronavírus.

LEIA MAIS – Coronavírus perto de você? Plataforma mostra onde há casos em Curitiba

Em Florianópolis, com população estimada em 500 mil pessoas, a reabertura dos centros comerciais ocorreu em 22 de abril, com horário reduzido das lojas entre 12 h às 20 h, e das 12 h às 22 h para as operações de alimentação. Naquele dia, a capital catarinense tinha 501 casos confirmados – uma média de quase dez casos por dia desde 1º de março (9,8). Em 25 de maio, o acumulado de infectados pela Covid-19 chegou a 664 casos. Foram 163 novos casos desde a volta dos shoppings. A média diária de novos casos caiu para quase cinco (4,9). O número de óbitos em 25 de maio totalizava 7, número estável desde 4 de maio. Foram descartados 3 mil casos; outros 1,5 mil estão em análise.

A capital catarinense tem uma peculiaridade: o transporte público ainda não está operando na cidade, seguindo restrições impostas pelo governo de Santa Catarina. Mas, utilizando outros meios de transporte, a população local está saindo de casa. O índice de isolamento, medido pela empresa de tecnologia In Loco a partir de dados de celulares, foi de apenas 42% em 25 de maio. Na primeira semana de medidas restritivas, de 23 a 27 de março, esse índice ficou acima dos 60%; no fim de abril, já tinha caído para em torno de 45% nos dias úteis.

Quando os shoppings foram reabertos, Florianópolis já tinha decretado obrigatório o uso de máscaras dentro de estabelecimentos. Para frequentar os shoppings, não há nenhuma restrição quanto à idade: crianças e pessoas acima de 60 anos estão liberados desde a reabertura. Segundo a prefeitura de Florianópolis, as restrições são contra aglomerações. Há aferição de temperatura e limitação de 50% das vagas de estacionamento.

“Quando abrimos, adotamos portarias rigorosas para o comércio. Máscaras eram obrigatórias e não podia haver aglomeração; cada vendedor atendia uma pessoa por vez. O distanciamento social tem nos ajudado e não fomos surpreendidos com aumento de casos na reabertura dos centros comerciais”, afirmou à Gazeta do Povo o secretário municipal de Saúde de Florianópolis, Carlos Alberto Justo da Silva.

Em Curitiba, o protocolo para reabertura dos shoppings inclui a proibição de acesso de crianças menores de 12 anos, de idosos (acima de 60) e de outros clientes que estejam no grupo de risco ou gripados. É obrigatório ainda uso de máscaras, distanciamento de 2 metros entre as pessoas. Áreas de lazer, como cinemas, seguem vetadas.

LEIA AINDA – Divórcios caem quase pela metade no Paraná durante a pandemia de covid-19

Medidas que não são exatamente iguais às de outros municípios do estado. No Paraná, quatro cidades abriram shoppings no fim de abril, no horário das 12 h às 20 h para lojas e até 22 h para restaurantes. Nessas localidades, o aumento no número de testes nas últimas semanas é considerado fator importante para o crescimento no número de casos confirmados; o número de mortes nessas quatro cidades passou de 2 casos no fim de abril para 13 em 25 de maio. Confira como foi a retomada das atividades nos shoppings dessas regiões e como está a situação em cada local:

Cascavel

A cidade do Oeste com 328 mil habitantes foi uma das primeiras a permitir a reabertura, com o Decreto nº 15.396, a partir de 22 de abril. Inicialmente, praças de alimentação ficaram fechadas; abriram em 6 de maio, mas com distanciamento de dois metros. Estacionamento e elevador estão proibidos. Não há restrição por idade, apenas aglomerações devem ser evitadas. Naquele dia, Cascavel tinha 70 casos positivos, 13 em investigação, 267 descartados e nenhuma morte – o coeficiente de incidência era o maior entre as seis cidades mais populosas do Paraná (213 por milhão).

Em 25 de maio, os números já subiam para 281 confirmações (diferença de 211), 32 em investigação e 7 óbitos (era zero). A taxa de ocupação hospitalar também subiu de 45% para 60%. No começo de maio, o prefeito da cidade, Leonaldo Paranhos (PSC) falou que se as medidas de distanciamento social não fossem respeitadas, poderia decretar um novo fechamento do comércio.

Foz do Iguaçu

Os shoppings de Foz do Iguaçu, com 258 mil habitantes, também reabriram em 22 de abril, com necessidade de ambientes arejados, aferição de temperatura, distanciamento nas filas, disponibilização de álcool gel, redução de 50% no número de mesas da praça de alimentação e distanciamento de 2 metros entre elas. Também sem restrição ao público. No dia 23 de abril (não há boletim disponível do dia anterior) a cidade das Cataratas, com 258 mil habitantes, tinha 39 casos confirmados, sem mortes. Em 25 de maio, o número de casos subiu para 102 casos confirmados (um acréscimo de 63, ou dois casos novos ao dia desde a reabertura dos shoppings), dos quais 79 já recuperados, 16 em isolamento domiciliar, 4 internados e um total de 3 óbitos (era zero).

Ponta Grossa

A reabertura dos shoppings em Ponta Grossa foi em 23 de abril, de acordo com o Decreto nº 17.258, prevendo uso de máscaras e praças de alimentação com apenas 30% da capacidade; cinemas e áreas de recreação permanecem fechadas. Não há restrições quanto à idade. Naquele dia, o número de casos na cidade era de 11 confirmados, 6 recuperados, nenhum óbito e 1.230 pessoas monitoradas. Em 25 de maio, o número subiu para 61 confirmados (50 novos casos em 31 dias), dos quais 35 recuperados e ainda nenhum óbito – mas há uma morte em investigação; outras 16 já foram descartadas para Covid-19. Há 1.525 casos monitorados e dois casos suspeitos hospitalizados. A taxa de ocupação dos leitos contratados pelo governo do estado está em 70%, por causa do atendimento a municípios da região.

Em entrevista à Gazeta do Povo, a Fundação Municipal de Saúde (FMS) informou que não tem como avaliar o impacto no número de casos após a reabertura do comércio já que “o município tem feito um número maior de testes após a liberação de testes rápidos pelo Ministério da Saúde, fator que contribuiu diretamente no aumento de casos confirmados na cidade”. Outro ponto destacado pela FMS é que a reabertura ocorreu de forma escalonada e atendendo a regras de limitação de clientes por tamanho dos estabelecimentos. O município tem população estimada de 351 mil pessoas.

Apucarana

Em Apucarana, os shoppings foram reabertos em 25 de abril, com proibição de entrada de crianças, pessoas acima de 60 anos, gestantes e portadores de doenças crônicas. Foram limitados pontos de entrada e saída, e permissão de entrada de apenas 30% da capacidade autorizada, além das medidas de distanciamento e necessidade de funcionário do empreendimento orientar clientes. Na ocasião, a cidade do Norte do Paraná, com 134,9 mil moradores, tinha 14 casos confirmados, dos quais 7 recuperados, 10 em investigação e 2 óbitos. Em 25 de maio, esses números subiram para 48 confirmados (diferença de 34), 15 em investigação e 3 óbitos (um a mais).


Precisamos do seu apoio neste momento!

Este conteúdo te ajudou? Curtiu a forma que está apresentado? Bem, se você chegou até aqui acredito que ficou bacana, né?

Neste cenário de pandemia, nós da Tribuna intensificamos ainda mais a produção de conteúdo para garantir que você receba informações úteis e reportagens positivas, que tragam um pouco de luz em meio à crise. Bora ajudar?

Ao contribuir com a Tribuna, você ajuda a transformar vidas, como estas

– Pai vende vende 1000 bilhetes de rifa com a ajuda da Tribuna pra salvar o filho
– Leitores da Tribuna fazem doação de “estoque” de fraldas para quíntuplos
– Leitores se unem para ajudar catadora de papel de 72 anos

E tem várias outras aqui!

Se você já está convencido do valor de sua ajuda, clique no botão abaixo