A noticia da suspensão do rodízio, nesta quarta-feira (03), pegou a todos de surpresa, já que a Sanepar havia informado que só suspenderia o controle no abastecimento quando o nível dos reservatórios da Grande Curitiba chegasse a 60%. O grande volume de chuvas dos últimos dias fez o nível médio dos reservatórios chegar a 53,92%, segundo a última atualização, que não contempla as últimas 24 horas.

+ Leia mais: Deslizamento de terra destrói parte de barracão e deixa uma pessoa desaparecida em Curitiba

Segundo o diretor-presidente da Sanepar, a ideia é reavaliar o sistema do rodízio quando o nível chegar a esta marca. “Temos um rodizio A, B, C e D. Hoje estamos no ‘C’, que é água por 36 horas e sem água por 36 horas. Se chegarmos aos 60%, vamos rever e, por exemplo, passar a 48 horas com água e 24 horas sem. 60% ainda é muito baixo. O número mágico é 80%, daí podemos suspender totalmente o rodízio”, explicou Stabile.

Segundo o Simepar, a previsão para os próximos dois dias é de mais chuva em Curitiba e região. Para hoje a tendência é que chova pouco, cerca de 15mm, mas na sexta pode chegar a 32mm.

Suspensão

A medida da suspensão, de acordo com a companhia, prioriza também as novas medidas do Governo do Estado que prevê o fechamento de atividades não essenciais em todo o Paraná para conter o avanço do novo coronavírus. É uma espécie de refresco para a população, tão “judiada” pelas notícias ruins dos últimos dias.

Segundo o diretor-presidente da Sanepar, Claudio Stabile, a decisão repete o mesmo princípio que orientou a suspensão temporário do rodízio na véspera do Natal no ano passado: “É, antes de tudo, uma medida que passa pela compreensão do momento agudo, sensível, pelo qual estamos todos vivendo com o agravamento da crise do coronavírus. É uma forma de a Sanepar colaborar para minimizar o impacto dessa situação.”