A taxa de reprodução (Rt) do coronavírus em Curitiba subiu para 1,16 – dados atualizados no Painel Covid da prefeitura na quarta-feira – e o número indica um avanço no contágio da doença na capital. Segundo a prefeitura, as próximas três semanas serão decisivas para apontar o rumo que a pandemia vai tomar por aqui, inclusive se será necessária a edição de um novo decreto de bandeira, mais restritivo, em relação à circulação de pessoas e horários de funcionamento do comércio.

+WebStories: Boletim covid-19 aponta 668 novos casos e 17 mortes

Para se ter uma ideia da importância de se ter a monitoração da doença pela taxa de reprodução, no Paraná, no pico máximo da pandemia, em 24 de julho, o Rt do estado chegou a 1,48. Já o menor índice do Rt no Paraná foi de 0,70, registrado em 12 de julho. Nos atuais 1,16 de Curitiba, cada 100 pessoas com covid-19 na capital podem contaminar outras 116. O número base da Rt é o 1, ou seja, quando o índice está menor do que 1, há indicação de remissão do contágio. Traduzindo para números reais, o balanço da pandemia divulgado pela prefeitura nesta quinta-feira (12) teve 266.253 casos confirmados, 668 novos casos, 17 novos óbitos e conta com 6.476 casos ativos na cidade.

Embora o número da Rt acima de 1 preocupe, o epidemiologista Diego Spinoza, da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) de Curitiba, diz que há outros fatores determinantes para mudança da cor da bandeira, como o controle da ocupação de leitos, número de casos ativos e de óbitos. Spinoza também destaca que o crescimento da taxa de reprodução era esperado pela equipe de Saúde, de certa forma, com a flexibilização das medidas restritivas da bandeira amarela.

+Viu essa? Claudia Silvano testa aproximação de cartão sem tirar do bolso. Será que passou?

“Avaliamos também a vacinação dos grupos onde o vírus circula mais, como nas faixas dos 30 anos e acima de 20 anos. Junto com a primeira dose do grupo dos 30 anos, foram vacinados com a segunda dose as pessoas com 50 anos e, também, com comorbidades. Esse impacto positivo da vacinação influencia no número de óbitos e ocupação de leitos”, explica Spinoza. Atualmente, a taxa de ocupação de leitos do Sistema Único de Saúde (SUS) na Unidade de Terapia Intensiva, exclusivos para covid-19 em Curitiba, é de 65%.

Outro ponto abordado pelo infectologista é em relação às medidas não-farmacológicas. “As pessoas precisam entender que o vírus está circulando. A pandemia não acabou. Medidas menos restritivas não significam que os cuidados sanitários podem ser esquecidos. Uso de máscara, distanciamento social, álcool em gel devem continuar. O comportamento da população também é levado em conta na hora de decidir a cor da bandeira. Só vamos saber se as pessoas estão levando os cuidados a sério nas próximas três semanas”, destaca.

LEIA TAMBÉM:

>> Motos não pagarão pedágio em novas concessões em rodovias do Paraná

>> Gasolina tem mais um reajuste da Petrobras nesta quinta-feira. É o nono de 2021

Diego ressalta três pilares no acompanhamento do avanço da doença estão sempre em análise, como período de contágio, período de infecção e chance de óbito. “Mesmo com a taxa de reprodução indicando avanço, na prática, ela não tem se refletido na ocupação de leitos e número de óbitos”.

Sobre um possível aumento no contágio pelo coronavírus dentro dos ônibus do transporte coletivo de Curitiba, uma vez que a flexibilização da bandeira amarela favorece uma maior circulação de pessoas, Spinoza diz que não houve, que a prefeitura segue monitorando o transporte coletivo e explica que os passageiros ficam mais atentos dentro dos ônibus. “É mais comum a pessoa relaxar os cuidados em um encontro de família, em uma festa, do que dentro do ônibus. No transporte, todos ficam mais atentos”, aponta.

Já as festas e eventos preocupam quando os organizadores e o público não respeitam as medidas do decreto. “A fiscalização tem se deparado com festas clandestinas ou chegado em locais onde a limitação máxima de público não é respeitada. Temos que destacar sempre que o comportamento das pessoas é fundamental para vencermos a pandemia. A flexibilização das medidas restritivas também depende muito disso”, finaliza o epidemiologista.

+Viu essa? Lembra do Condomínio da Morte na RMC? Agora virou Condomínios das Flores

Web Stories

Pega Pega

Treta! Nelito dá um soco em Julio por causa de Cíntia

Você sabia?

Cinco curiosidades sobre Curitiba que nem o curitibano raiz sabe!

Gigante!!

Nova Havan será quatro vezes maior que a loja que será abandonada em Curitiba

Lindas!

Cinco árvores exóticas e raras de Curitiba