Desde sexta-feira (18), taxistas de Curitiba estão oferecendo corrida ao preço fixo de R$ 20, valor que pode ser dividido em até quatro pessoas, ao custo de R$ 5 cada – um pouco mais caro que a passagem de ônibus, de R$ 4,25. Chamada de Táxi Solidário, a ação é um protesto contra a atual regulamentação dos aplicativos de transporte individual, como Uber e Cabify, aprovada mês passado pelo prefeito Rafael Greca (PMN).

O preço fixo está sendo cobrado de maneira informal, com o motorista informando ao passageiro que está participando da ação Táxi Solidário. As corridas são a partir de pontos centrais e de grande movimento, como a Praça Rui Barbosa e a Boca Maldita, no calçadão da Rua XV de Novembro, no Centro. Os trajetos das corridas coletivas são similares aos das linhas de ônibus da capital.

A regulamentação do serviço de táxi não permite que corridas tenham preço pré-determinado. Por isso, de acordo com Eduardo Fernandes, presidente da União dos Taxistas de Curitiba (UTC), a ação acontece apenas em caráter de manifestação.

“O objetivo é chamar a atenção da prefeitura para o caos que a cidade vai ficar se a regulamentação de transportes individuais continuar beneficiando apenas Uber, Cabify e afins. O sistema de transporte coletivo vai sentir o impacto negativo, como os taxistas já estão sentindo”, opina Fernandes. De acordo com o presidente da UTC, a atual regulamentação também favorece o aparecimento de carros de transporte clandestino.

“O que a gente quer é que a prefeitura revise esse decreto, que excluiu totalmente as necessidades dos taxistas e as consequências para o trânsito de Curitiba”, explica. A organização da manifestação é de um grupo de taxistas, que estão sendo apoiados pela UTC. Ainda não se sabe quantos carros devem participar da ação, que não tem data para acabar.

A Prefeitura de Curitiba, afirma que a Urbs, que regula e fiscaliza a frota de táxi na cidade, está monitorando se o protesto realmente vai acontecer. Em caso afirmativo, podem ocorrer sanções aos motoristas.

Trechos

De acordo com a UTC, por enquanto as corridas estão acontecendo de maneira informal, enquanto os materiais de divulgação do protesto estão sendo preparados. Passageiros que usarem o serviço de táxi podem perguntar ao motorista se ele está participando.

Os trechos exatos e locais de embarque e desembarque não foram definidos, mas a expectativa da organização é de que essas informações estejam disponíveis na segunda-feira (20). Para isso, serão produzidos panfletos informativos e adesivos de identificação para os táxis participantes.