Além de tentar descobrir a identidade do ladrão que roubou três vezes um posto de combustíveis no Batel, a Delegacia de Furtos e Roubos também tenta identificar quem é o motorista de táxi que deu cobertura ao marginal. Sem medo da polícia, o assaltante cara de pau ficou hospedado num hotel, no Centro, durante as semanas em que cometeu os crimes.

À mão armada, ele roubou o posto na esquina da Avenida do Batel com a Rua Desembargador Costa Carvalho. O primeiro assalto foi no dia 22 de setembro, o outro no dia 29 e o último na quarta-feira. No segundo roubo, voltou ao local não só para roubar, mas também para saber como tinha sido a “repercussão” do primeiro assalto. Entre estes crimes, no dia 5 de outubro, o ladrão esteve novamente no posto apenas para fazer ameaças ao dono do estabelecimento. Não levou nada.

Motorista

De acordo com o delegado Francisco Caricati, da DFR, nos dois primeiros assaltos e no dia da ameaça, o ladrão estava a bordo do mesmo táxi. A polícia faz rastreamentos, para saber quem é o taxista, acreditando que ele participou ativamente do crime. No último assalto, o marginal pegou um taxista diferente, acionado pela central de radiotáxi, da recepção do hotel onde o marginal estava hospedado.

“Identificamos o taxista e o interrogamos. O motoristaa alega que não ficou vendo o que o seu cliente estava fazendo dentro do posto e por isto não viu o crime. Ao que tudo indica, ele não teve participação”, afirmou Caricati.

Boa vida

A DFR também descobriu que o marginal ficou hospedado num hotel da Rua Doutor Muricy, próximo à esquina com a Rua Cruz Machado. Caricati contou que o hotel é desorganizado e apenas tinha algumas fichas em papel incompletas sobre os hóspedes. Por isto não havia informações da identidade do ladrão.As câmeras de segurança do local, apesar de estarem funcionando, não gravaram nenhuma imagem, porque o HD do computador estava queimado.