Taxistas de Curitiba iniciaram nesta segunda-feira (11) uma espécie de boicote contra as corridas angariadas por um dos aplicativos mais antigos da categoria. Desde as 0h os motoristas foram orientados pela União dos Taxistas da capital (UTC) a não aceitar chamadas vindas do 99 Táxis acusando-os de traição à categoria. A partir desta segunda-feira, o app deve operar também com motoristas particulares, o que irritou muito às lideranças sindicais dos permissionários.

Não há relatos até esta manhã de problemas sentidos pelos usuários. A intenção dos taxistas que organizaram o protesto é recusar chamadas e até desinstalar os aplicativos até a meia-noite desta segunda.

De acordo com o presidente da UTC, Eduardo Fernandes, os taxistas foram usados pelo aplicativo e o que parecia ser a salvação dos taxistas quatro anos atrás hoje pode significar o seu fim. “Eles se diziam amigos dos taxistas, mas nos traíram e usaram nossa base de clientes e a confiança que o táxi representa para lucrar e agora aprontar essa”, reclamou.

Fernandes reconhece que hoje é difícil garantir uma adesão em massa dos taxistas a protestos como esse e admite que não haverá punição ou represália a quem não participar. Porém ele apela à memória dos motoristas para tentar emplacar o protesto. “Quatro anos atrás avisamos que isso iria acontecer, mas infelizmente os motoristas não ouviram. Eles querem lucro e mais lucro se utilizando na nossa mão de obra e nossa experiência”.

O presidente da UTC reconheceu a ajuda que os aplicativos deram no passado, mas a aceitação de motoristas particulares acabou com a harmonia que existia entre os dois. “Muitos falaram que os aplicativos salvaram a categoria. Salvaram vírgula. Eles nos usaram. Os próprios taxistas eram contra e hoje acontece isso”.

Mais do que uma guerra particular contra os aplicativos que outrora ajudaram a categoria, Fernandes defende a aplicação da lei aprovada pelo prefeito Rafael Greca por decreto em julho passado. “Num momento difícil como o que estamos fazendo, é o mínimo que a gente espera (aplicação da lei). Nenhuma empresa opera dentro da regulamentação. São todos clandestinos”.

Em julho deste ano o prefeito Rafael Greca aprovou o decreto 1.302, publicado no Diário Oficial dia 19, regulamentando serviços como Uber e Cabify (e o próprio 99 Taxis, que promete operar dentro na nova regulamentação). Com 21 artigos, o texto estabelece regras, entre elas que a prefeitura tenha todas as informações sobre cada corrida e que os motoristas tenham certidão negativa de antecedentes criminais.