A forte chuva da noite de quarta-feira (17) causou diversos estragos em Curitiba e região metropolitana. Em Almirante Tamandaré, 29 casas foram alagadas. No bairro Hauer, na capital, o telhado de um depósito da Polícia Civil desabou. No Parque Barigui, um dos principais cartões postais de Curitiba, a lama estava por todo lado na manhã desta quinta-feira (18).

Também houve registros de quedas de árvores e alagamentos em sete bairros de Curitiba. Ao todo, a capital registrou 29 solicitações de riscos e quedas de árvores e galhos pela central 156 desde a noite de quarta-feira e três pessoas ficaram desabrigadas. Elas foram atendidas pela Fundação de Ação Social (FAS).

No caso do depósito da Polícia Civil, a Comissão de Segurança de Edificações e Imóveis (Cosedi) da prefeitura já havia solicitado ao governo do Paraná que fizesse reparos estruturais no local em agosto por causa do risco de queda do muro de divisa do local. Uma parte da casa ao lado também foi interditada pelo risco de ser atingida pela parede do depósito.

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do trio de ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!

Telhado do depóstio da Polícia Civil no Hauer, em Curitiba, desabou.
Telhado do depóstio da Polícia Civil no Hauer desabou. Foto: Divulgação/Sinclapol.

Região Metropolitana

Já na região metropolitana, a cidade mais atingida foi Almirante Tamandaré, onde 29 casas ficaram alagadas e quase 120 pessoas foram orientadas a deixar suas residências. Ninguém ficou ferido. O bairro com maior número de ocorrências em Almirante Tamandaré foi o Tanguá – ao lado do Parque Tanguá, na divisa com Curitiba.

Segundo a Defesa Civil, há uma ocupação irregular na região e alguns moradores teriam aterrado parte do rio que corta o bairro. “Nossa equipe esteve no local e percebeu esse aterramento interferiu no curso do rio e acabou causando os alagamentos”, afirmou a assessoria de comunicação da prefeitura.

Ao todo, 25 moradias do bairro Tanguá foram atingidas e a água chegou a um metro de altura. A Defesa Civil orientou os moradores a deixarem suas casas nesta quinta-feira (18) por causa da nova previsão de chuvas fortes a partir da tarde. Até o fim da manhã desta quinta, apenas uma família havia seguido a orientação e procurado casas de parentes.

Outras três casas também ficaram alagadas devido ao volume de chuvas no bairro Jardim Graziela e uma residência do Jardim Monte Santo teve parte do telhado arrancado. A Defesa Civil atendeu a família que teve a residência destelhada e utilizou lonas para proteger emergencialmente o local. Equipes realizam vistoria em outras áreas de risco de Almirante Tamandaré desde a madrugada e seguem de prontidão para atender novas ocorrências.

+Leia também: Após treta Huck x Greca, prefeitura de Curitiba revela detalhes do ‘novo Caximba’

Outras ocorrências

Segundo o boletim a Defesa Civil estadual, também foram registrados estragos no município de Araucária, também na região metropolitana. Cinco casas foram danificadas na cidade. Outros municípios atingidos foram Cambé, com 20 casas danificadas, Castro, com 10 residências, e Santa Cecília do Pavão, com quatro. Os três municípios ficam no interior do estado.

Em Curitiba, a Defesa Civil registrou queda de árvores e alagamentos nos bairros Caximba, Tatuquara, Bairro Alto, Abranches, Pilarzinho, Uberaba e Bacacheri. Uma árvore também atingiu uma residência na Rua Brasílio Itiberê, no Rebouças, e outra caiu no meio da rua no bairro Alto Boqueirão.

+ Leia também: A difícil missão dos médicos que trazem alívio a quem está na reta final da vida

Interior

Há registros de danos nas cidades de Ponta Grossa, nos Campos Gerais, onde uma marquise inteira de um prédio na Avenida Vicente Machado, uma das principais da cidade, despencou na madrugada desta quinta. Em Londrina, no Norte do estado, a cobertura de um posto de gasolina também foi arrancada pelo vento, que chegou a 70 km/h.

Simepar alerta para a possibilidade de novos temporais em Curitiba. Veja a previsão!