As primeiras testemunhas ouvidas pela Polícia Civil do acidente do  ônibus de turismo que se envolveu no acidente na altura do km 668, na BR-376, nesta segunda-feira (25), em Guaratuba, no litoral do Paraná, relataram que o motorista estava dirigindo de maneira imprudente e que o veículo balançava bastante antes de bater em uma mureta de contenção e descer por uma ribanceira. Dezenove pessoas morreram no acidente e os corpos foram trazidos todos para Curitiba.

Segundo o condutor do ônibus, de 67 anos de idade, o motivo da colisão foi a ausência de freios na descida da Serra do Mar. Dezenove pessoas morreram, sendo 13 adultos, 5 adolescentes e uma criança. Todos os corpos já foram encaminhados ao Instituto Médico-Legal (IML) de Curitiba. Além das vítimas fatais, outras 31 pessoas foram socorridas por policiais e bombeiros, algumas delas, inclusive, encaminhadas para o Hospital Cajuru.

Após o acidente, o motorista foi encaminhado para a Delegacia de Guaratuba, onde prestou as primeiras informações. Ainda no período da tarde, a Delegacia de Delitos de Trânsito de Curitiba, a Dedetran, assumiu a investigação. Com o depoimento do motorista, a Dedetran iniciou as conversas com quem presenciou a viagem ou mesmo auxiliou nas buscas. O delegado Edgar Dias Santana teve acesso a três passageiros (um menor de idade e dois adultos), que afirmaram que o motorista estava acelerando o ônibus de maneira perigosa em um trecho com curvas.

“Vamos apurar com calma e critérios. Lamentamos as mortes e lesões sofridas pelos demais”, afirmou o delegado Edgar Dias. Foto: Gerson Klaina/Trbuna do Paraná.

“Elas falaram que o condutor vinha dirigindo de forma imprudente fazendo acelerações indevidas com que o ônibus balançasse bastante. É importante ressaltar que esta informação será analisada em conjunto com as demais provas que a Polícia Civil está produzindo. Ainda faremos uma série de diligencias para ouvir outros passageiros e aguardo o resultado de exames periciais para apurar eventuais responsabilidades”, disse o delegado à Tribuna.

Tacógrafo apreendido

A velocidade que o ônibus seguia pela BR-376 ainda não foi divulgada pela Polícia Civil. O tacógrafo, dispositivo empregado em veículos para monitorar o tempo de uso, a distância percorrida e a velocidade foi apreendido pelo Instituto de Criminalística do Paraná. O resultado da análise deve sair nos próximos dias e será determinante para apontar possíveis irregularidades. “Não dá para precisar ainda a velocidade que trafegava antes e na hora do acidente. O tacógrafo foi apreendido e será analisado pelo Instituto de Criminalística. Nós temos prazo de 30 dias para concluir o inquérito policial, mas que pode ser prorrogado por mais 30 dias devido a quantidade de pessoas que serão ouvidas”, relatou Edgar Dias Santana.

Questionado por autoridades sobre a velocidade que estava antes de colidir com a mureta de contenção, o motorista informou que não olhou para o velocímetro e não sabia apontar qual velocidade estava.

Linhas de investigação

A Polícia Civil trabalha com duas frentes de investigação. Falha mecânica conforme relatou o motorista e erro humano conforme os primeiros depoimentos dos passageiros. “É  preciso reconstruir os fatos para ter uma resposta efetiva. E seria prematuro falar quem é ou quem são os culpados do acidente e até quais crimes irão responder. Vamos apurar com calma e critérios. Lamentamos as mortes e lesões sofridas pelos demais”, afirmou o delegado.

A PCPR já identificou 15 corpos das vítimas do acidente com ônibus de turismo Os papiloscopistas estão identificando as vítimas através de exames necropapiloscópicos, onde coletam as impressões digitais dos cadáveres e realizam o confronto com padrões enviados pela Polícia Civil do Pará.

As vítimas identificadas até o momento

  • Alexandre Costa da Cruz – 26 anos
  • Andreia Miranda dos Santos – 27 anos
  • Antonio Carlos Teixeira Lima – 41 anos
  • Carlos Henrique Da Silva Teixeira – 14 anos 
  • Dailson Ferreira Pimentel – 32 anos
  • Emanuele Cristina Martins Miranda – 26 anos
  • Gabrielly Pinto Favacho – 21 anos
  • Geovanna Cristina Pacheco Pinheiro – 20 anos
  • Iracelma de Carvalho e Souza – 47 anos
  • Iranilda Carvalho de Souza – 54 anos
  • João Paulo Ferreira Santos – 19 anos
  • José Renan da Silva Souza – 18 anos
  • Juliane de Jesus Botelho Garcia – 23 anos
  • Roni Cristian Pinheiro de Almeida – 21 anos
  • Valdenilson Gurjão de Souza – 22 anos