O temporal que atingiu Curitiba na tarde de quarta-feira (14), com o acumulado de 67 milímetros de chuva em um período de apenas três horas, trouxe muita sujeira e prejuízo para quem vive em diversos bairros de Curitiba e cidades da região metropolitana. No total, segundo a Defesa Civil , foram registrados 94 pontos de alagamentos na capital. E para as famílias dos bairros atingidos, a quinta-feira (15) foi um dia de  “batalhar” para colocar a casa em ordem e limpar a bagunça gerada pelas enchentes e alagamentos.

Quem também teve muito trabalho nesta quinta foram os mais de mil funcionários da prefeitura, mobilizados para ajudar na recuperação de áreas afetadas e no atendimento às famílias prejudicadas pelas chuvas. De acordo com a administração municipal, colaboradores das secretarias municipais de Obras Públicas, Meio Ambiente e da Fundação de Ação Social (FAS), atuaram na cidade nesta “força-tarefa” pós-temporal.

Entulhos

O trabalho de recolhimento de entulhos, limpeza de rios e remoção de árvores envolveu quase 200 servidores da Secretaria do Meio Ambiente. Segundo a prefeitura, a estimativa era recolher, nesta quinta-feira, mais de 60 toneladas de entulhos, com ajuda de 20 caminhões.

Leia também: Enchentes não são novidade em Curitiba e desafiam gestão pública

Dragagem no rio Atuba. Foto: SMCS/Luiz Costa
Dragagem no rio Atuba. Foto: SMCS/Luiz Costa

Em rios e córregos a limpeza também foi reforçada, entre eles, no córrego da Rua Wacilio Zacachuka, no Tatuquara, e no Rio Uvu, em Santa Felicidade. E além de galhos e folhas arrastados pela correnteza, as equipes encontraram uma grande quantidade de lixo.

Já a desobstrução e remoção das árvores foi feita por 75 funcionários do município. Foram atendidas por eles sete ocorrências de queda de árvores e galhos com obstrução de ruas e calçadas. As áreas mais atingidas foram CIC e Boqueirão.

Equipes de Pontes e Drenagem também atuaram para limpar e desassorear os rios. Este tipo de serviço foi feito no Rio Atuba, no bairro Atuba, e no Córrego Jardim Cruzeiro, no Santa Cândida.

Recuperação do asfalto

No Centro, máquinas fizeram a recuperação do asfalto na esquina das ruas Desembargador Westphalen com a Visconde de Guarapuava. Máquinas também foram usadas no trecho do Rio Belém do Bosque do Papa, no Centro Cívico, para limpeza das áreas afetadas.

Na região do Boqueirão, entre as ruas Professor José Maurício Higgins, O Brasil para Cristo e o Rio Belém equipes da Prefeitura também realizaram serviços de limpeza. No bairro Bacacheri, máquinas trabalharam no Rio Bacacheri com a Rua Paulo Friebe.

No total, cerca de 135 funcionários da Secretaria de Obras Públicas trabalharam para deixar a cidade em ordem.

Assistência social

A FAS manteve nesta quinta o atendimento às famílias que tiveram as casas alagadas em função das fortes chuvas. Foram encaminhados aos moradores 150 colchões, 75 cobertores, 60 cestas básicas, além de roupas e calçados para moradores das regionais Matriz, Boa Vista, Cajuru e Tatuquara.

Apesar de algumas famílias terem sido desalojadas, a FAS não precisou abrir abrigos, já que todas decidiram ficar na casa de parentes e amigos. Uma mobilização de limpeza também garantiu o atendimento nos Centros de Referência da Assistência Social (Cras) Pilarzinho e Cachoeira, na Regional Boa Vista, que ficaram alagados.

Na Regional Matriz, três unidades que prestaram atendimento e acolhimento a pessoas em situação de rua também foram atingidas pelas inundações e rapidamente recuperadas pelas equipes. São elas: Casa de Passagem Jardim Botânico, o Centro de Referência Especializado para a População de Rua (Centro POP) João Dorvalino Borba e a Unidade Mais Viver.

Já em escolas e creches municipais os danos foram pontuais, com 16 unidades escolares prejudicadas.

Controle de enchentes

De acordo com a Prefeitura, o recurso destinado a ações de controle de enchentes e de manutenção do sistema de drenagem da cidade dobrou em 2017. O valor empenhado no ano passado chegou a R$ 48,1 milhões, contra R$ 23,4 milhões em 2016 – crescimento de 105,5%.

As ações incluíram revitalização das bacias do rio Bariqui e Pinheirinho, desenvolvimento ambiental, obras de drenagem diversas e prevenção de riscos naturais. Os investimentos nas duas obras são de R$ 144,8 milhões.

A administração municipal ainda afirma que busca mais recursos junto ao Ministério das Cidades para a execução de obras de macrodrenagem nas bacias do Barigui Norte, Belém Norte, Ribeirão dos Padilhas e Rio Atuba. Além dos trabalhos rotineiros de prevenção e manutenção dos rios e córregos, com limpezas e desassoreamentos.

Temporal deixa Curitiba embaixo d’água