Um traficante que também usava drogas e se tornava violento sob efeito do entorpecente acabou morto dentro do “mocó” que alugou para a prática do crime no Tatuquara, na noite de segunda-feira.

A pequena casa fica na Rua Waldemar Urso e foi alugada por Edson Aparecido Martins, 36 anos, há quatro meses. Vizinhos relataram à polícia que o local era freqüentado por viciados e que o tráfico de drogas era visível no endereço, sempre coordenado por Edson.

Os tiros foram ouvidos por volta das 20h de segunda. O atirador, que estava dentro do “mocó”, fugiu sem ser identificado. Edson morreu atingido por três disparos na cabeça, com um cachimbo de crack na mão. Contra ele vigorava um mandado de prisão indicando que ele perdeu o direito ao regime aberto e deveria voltar ao de reclusão.

Ele já esteve preso em 1995, 2002 e 2007. O último crime foi roubo. De acordo com a polícia, ele estava envolvido com o tráfico há mais de dez anos, e ficava agressivo quando consumia drogas. Várias vezes ele agrediu usuários que consumiam entorpecente dentro de sua casa.

Edson também é acusado de jogar água fervendo na convivente, surda e muda, que permanece internada em estado grave no Hospital Evangélico. A morte dele é investigada pela Delegacia de Homicídios.