Depois de quase 10 anos de reclamações e provas de resistência e paciência, os moradores da Vila Sandra na CIC estão mais aliviados com abertura de uma nova rua na região. No entanto, a mudança no urbanismo ainda não vai resolver o perrengue dos moradores, que precisam caminhar mais de um quilômetro para entrar em um ônibus ou mesmo para chegar em casa, muito mais do que previsto pela Lei Municipal. A história completa foi contata pela Tribuna em agosto deste ano.

De acordo com a Lei n° 12.597 de 17 de janeiro de 2008, que dispõe sobre a organização do Sistema de Transporte Coletivo da cidade de Curitiba, “a região, cuja densidade demográfica, viabilize a implantação do serviço, será considerada atendida sempre que sua população não esteja sujeita a deslocamento médio superior a 500 (quinhentos) metros”.

LEIA TAMBÉM:

>> Bairros de Curitiba ficam sem água após rompimento de adutora da Sanepar

>> Fogo, fumaça e explosões! Kombi pega fogo no estacionamento de McDonald’s em Curitiba

Finalmente, depois de muita reclamação, a prefeitura anunciou a abertura da rua nesta quarta-feira (10), que vai garantir a ligação entre as áreas conhecidas como Conjunto Marselha e Vila Sandra. Estão em obras os serviços de abertura e requalificação de um trecho de 210 metros da Rua Juvino Ransolim, que vai se unir a Rua Jaziel Sotto Maior Lagos.

“A rua na verdade é só o começo. A nossa luta é pelo ônibus. A gente lembra que estamos no Brasil, fica a reflexão: será que o ônibus vai passar?”, questionou Renan dos Santos, 25 anos, morador da região e crítico nas redes sociais quanto ao problema.

Em julho deste ano, Renan pediu ao prefeito Greca para que olhasse com carinho para o assunto e chegou a ficar indignado com a resposta recebida pelo prefeito. “Acho que está em processo e nem tudo a gente consegue”, escreveu Greca, numa postagem no Facebook. “Eu fiquei desolado, pois a gente está enfrentando isso há 10 anos, e nada está se fazendo nada para melhorar. Eu sou jovem e não posso desacreditar da política”, relatou o jovem na época.

Em visita ao local da obra nesta quarta (10), Greca revelou que teve problemas para abrir a rua, pois se tratava de uma área de preservação de propriedade particular. “Agora está aberta e nós vamos fazer calçadas e também asfalto no saibro, que é importante para unir a população da Vila Sanda com a população do Conjunto Marselha. Isso vai dar ao bairro coesão e unidade, isso é urbanização, isso é urbanismo”, disse o prefeito.

Pavimentação

Os serviços começaram com a escavação e implantação, infraestrutura de drenagem, com galerias de águas pluviais, bocas de lobo e meio-fio na extensão de abertura da via que terá ainda o piso em saibro pavimentado com asfalto.

Já o trecho que faz a ligação com a Rua Jaziel Sotto Maior Lagos está sendo requalificado, já passou por serviços de correção geométrica que deixaram a via mais larga e estão sendo construías calçadas em paver (blocos de concreto), com acessibilidade. Também haverá uma travessia elevada para garantir a segurança dos pedestres.

O secretário municipal de Obras, Rodrigo Rodrigues reforçou os impactos positivos que serão alcançados a partir da intervenção. “A abertura da rua vai integrar os moradores do bairro, garantir mais conforto, segurança e melhores condições de mobilidade”, disse Rodrigues.

Abertura da rua não é suficiente

Apesar da abertura da rua anunciada pela prefeitura, o jovem morador revela que aguarda o andamento das obras. “A rua, na verdade, é só o começo. A nossa luta é pelo ônibus. Então eu espero, depois que a rua terminar, que o ônibus passe por aqui”, desabafou.

Web Stories

Novidades!

Filmes e séries que chegam à Netflix nesta semana

Economia

10 dicas para economizar na gasolina

Carinha de Anjo

Dulce Maria é a nova representante de classe

Hummm….

Conheça o elenco principal de “Um Lugar ao Sol”