O trio de assaltantes que tentou roubar um carro no Bacacheri, minutos antes do meio-dia desta terça-feira (07), foi surpreendido pela vítima, que era um policial militar do 12.º Batalhão e trocou tiros com os marginais, matando um deles.

O rapaz foi identificado como Rodrigo Francisco Souza Júnior. Os comparsas Danilo Mattos, 18 anos, e Alef Arruda Oliveira, 18, tentaram fugir, mas foram detidos em seguida.

Eles chegaram até a Rua Desembargador Manoel de Lacerda Pinto, em um Prisma vermelho, roubado dias antes. Estacionaram o carro cerca de 30 metros da entrada da casa do policial e seguiram a pé. Quando o PM deixava a residência, percebeu a aproximação do trio e viu que um deles estava armado.

Houve a troca de tiros, perto da calçada, e o bandido acertou os tiros na lataria do carro do policial e foi atingido no rosto em seguida. “O policial respondeu a injusta agressão do bandido exatamente como foi treinado. Felizmente estava bem preparado e evitou ser ele a vítima”, comentou o major Cavalheiro, do 20.º BPM.

Os dois colegas correram e Danilo foi preso algumas quadras adiante, por uma equipe policial. Alef foi capturado cerca de 20 minutos depois, por policiais do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope), tentando se esconder no matagal à beira de um córrego. Os dois foram reconhecidos por diversos moradores como responsáveis por roubos de carros no bairro.

“Há duas semanas eu sai de casa e parei o carro algumas quadras à frente, para atender o celular. Então um deles me assaltou. Colocou o revólver na minha cabeça e levou o carro, dinheiro e até meus documentos”, disse o caminhoneiro Jaime Pinheiro Lima, que mora a quatro quadras da rua onde o confronto aconteceu.

Segundo ele, o revólver que estava na mão de Rodrigo foi o mesmo que Alef usou para assaltá-lo, mas o rapaz negou o crime. Uma irmã do jovem foi ao local e ficou revoltada com a atitude dele.

“Olhe para o seu amigo morto e tome vergonha”, disse para Alef, enquanto era colocado na viatura da polícia. A polícia acredita que outros assaltos praticados no Bacacheri sejam desvendados com a prisão da dupla.