Viaturas do Exército começaram a sair do quartel do 20.° Batalhão de Infantaria Blindado (20.º BIB), no bairro Bacacheri, em Curitiba, por volta das 14h desta terça-feira (29) para ajudar a Polícia Rodoviária Federal (PRF) na escolta de cargas essenciais e no patrulhamento de pontos mais movimentados nas BRs 116, 277 e 101 no Paraná, e nas BRs 116, 101 e 282 em Santa Catarina. A operação é comandada pela 5ª Divisão do Exército, em coordenação com a Marinha e a Aeronáutica.

A finalidade é permitir o escoamento de cargas essenciais à população durante a greve dos caminhoneiros, que chega nesta terça ao nono dia. Serão liberadas pelo Exército, além de combustíveis, cargas de insumos de saúde, produtos agropecuários e gêneros alimentícios. Os soldados vão escoltar essas cargas até os pontos e distribuição das cidades de grande e médio porte, como a Ceasa de Curitiba, que nesta terça fechou por falta de mercadoria para negociar.

Nesta terça, o Exército já prestou apoio à Polícia Militar (PM) na escolta de uma carga de gás que saiu do centro de distribuição de combustíveis de Araucária, na região metropolitana.

No final de semana, tropas do Exército foram vistas nas ruas de Curitiba. Entretanto, segundo o comando da da 5ª Divisão de Exército, a movimentação era para concentrar as tropas no quartel do Pinheirinho para justamente os soldados prestarem apoio logístico nas estradas do Paraná e Santa Catarina. No domingo (27) mesmo, o Exército já havia prestado apoio à Polícia Rodoviária Federal (PRF) na escolta de diesel para os ônibus do transporte público de Ponta Grossa, nos Campos Gerais.

Na última sexta-feira (25), o presidente Michel Temer editou um decreto de Garantia da Lei e da Ordem (GLO), válido para todo o território nacional, para autorizar a atuação do Exército na greve dos caminhoneiros. Os militares vão atuar na desobstrução de estradas a fim de garantir o abastecimentos de insumos básicos para a população, como alimentos, remédios e combustíveis. O decreto valerá por dez dias, até 4 de junho. Entretanto, até agora, as Forças Armadas só foram utilizadas em operações logísticas de escolta.

Greve dos caminhoneiros chega ao fim do 9ª dia com ameaça de falta de comida. Veja como foi!