As empresas CCD, Tamandaré e Glória efetuaram os pagamentos atrasados dos motoristas e cobradores do transporte coletivo de Curitiba nesta tarde de quarta-feira (11). Com isso, a greve de ônibus que estava prevista para acontecer nesta quinta-feira (12) foi descartada pela categoria.

“Os trabalhadores do transporte coletivo sempre buscam respeitar os direitos da população, mas infelizmente nem sempre são respeitados os direitos desses profissionais. Muitas vezes precisamos nos impor para conseguir garantir o pagamento dos salários, mas estamos contentes de continuar trabalhando, porque sabemos da importância do nosso serviço para todo o município”, disse o presidente do Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Ônibus de Curitiba e Região Metropolitana (Sindimoc), Anderson Teixeira.

LEIA TAMBÉM:

>> Obras da barragem do Miringuava voltam após seis meses paralisadas

>> “Eu não tinha mais o que fazer”, revela ex-namorada de policial indiciado por homicídio após massacre em posto

Urbs aguarda aprovação de suplementação orçamentária

Em nota enviada à, a Urbanização de Curitiba (Urbs), responsável por gerenciar o trânsito na cidade, disse que “aguarda a aprovação, pela Câmara Municipal de Curitiba (CMC), do projeto de suplementação orçamentária de R$ 174 milhões, que será usado, em sua maior parte, para fazer frente ao déficit do sistema em 2022. O município também aguarda o repasse de subsídio ao transporte coletivo por meio do convênio com o Governo do Estado, o que deve ocorrer até meados da semana.A Urbs reitera que tem feito esforços para acelerar os dois projetos e assim evitar atrasos nos repasses às empresas por conta do déficit financeiro no sistema. O transporte coletivo prevê um déficit de R$ 154 milhões em 2022, gerado pela diferença entre a tarifa técnica – que é a efetivamente paga às empresas – e a social, paga pelo usuário, de R$ 5,50. A diferença é coberta por subsídio do poder público. A tarifa técnica, em abril, foi de R$ 7.A empresa também ressalta que o transporte coletivo é um serviço essencial, vital para o deslocamento de milhares de pessoas todos os dias na capital e a redistribuição de linhas entre empresas em caso de greve é uma prerrogativa de contrato e também uma forma de preservar o usuário deles ônibus da capital.”, disse a Urbs em nota enviada à RPC.

Pantanal

Juma atira nos pés de Jove

Loterias

Veja o resultado das loterias desta terça-feira!

Inverno Chegou

Veja como será o primeiro dia de inverno em Curitiba

Além da Ilusão

Lorenzo declara seu amor por Letícia