A denúncia de uma onda de demissões na Universidade Positivo (UP) chegou ao Sindicato dos Professores de Ensino Superior de Curitiba e Região Metropolitana (Sinpes) na sexta-feira (11). Segundo informações encaminhadas ao sindicato, até o início da tarde de sexta haviam sido demitidos quatro docentes de Ciências Contábeis, quatro de Direito, quatro de Engenharia da Computação, quatro de Engenharia de Produção, um do curso de Jornalismo, um de Relações Internacionais, cinco de Psicologia e dois de Medicina.

LEIA TAMBÉM 21 cursos superiores do Paraná tiraram nota máxima na avaliação do MEC. Veja lista!

Essa não é a primeira vez que o sindicato recebe uma denúncia de demissão em massa. A primeira aconteceu em julho deste ano. De acordo com o Sinpes, será enviado um pedido de informação ao Departamento de Recursos Humanos da Universidade Positivo para levantar a quantidade exata de demitidos e em quais cursos eles atuavam. A UP foi comprada pelo grupo Cruzeiro do Sul Educacional em março.

O sindicato também informou que a unversidade esperou os professores lançarem as notas e faltas do último bimestre de 2020 em seu portal para depois demiti-los. Na quinta-feira (10) o Sinpes já havia mencionado que a universidade não fornecia condições técnicas adequadas para que os docentes realizassem o lançamento dos dados para o fim do ano. Por esse motivo, o sindicato havia feito um pedido formal para que a UP estendesse o prazo para o lançamento no portal.

Alunos preocupados

Em novembro desse ano, os alunos da universidade disseram à reportagem da Tribuna que estavam inconformados com a falta de comprometimento e atenção no atendimento que a universidade estava proporcionando esse ano. As reclamações foram constantes nas redes sociais e alguns estudantes pensaram até em trancar o curso ou buscar na Justiça algum tipo de reparo por causa dos constantes problemas.

Em julho, a UP promoveu a demissão de centenas de professores em reuniões de chamada de vídeo pela internet. De acordo com o Sinpes, na época, os desligamentos se deram nos cursos de Biologia, Design, Direito, Educação Física, Engenharia, Publicidade e Propaganda, Psicologia, Medicina e Relações Internacionais. Perderam emprego docentes tanto de cursos presenciais quanto de EAD. A UP também fechou ao menos sete cursos presenciais.