A partir desta sexta-feira (25), cinco Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) de Curitiba iniciam a implantação de novo fluxo de trabalho com o objetivo de reduzir as filas de espera e melhorar os atendimentos prestados aos pacientes. A mudança vem da aplicação do Projeto Lean do Ministério da Saúde (MS).

LEIA TAMBÉM:

>> Paraná terá 4ª dose da vacina contra covid-19 para a população acima de 80 anos

>> Toma losartana? Anvisa recomenda que medicação não seja interrompida após recolhimento por farmacêuticas

>> Queda na cobertura vacinal básica liga alerta para volta de doenças já erradicadas no Paraná

De acordo com o ministério, a iniciativa, conduzida pelo Hospital Sírio-Libanês, busca agilizar e aprimorar os atendimentos de urgência e emergência em todo o país. O método institui somente o uso dos recursos necessários para a realização do trabalho, evitando desperdícios e fazendo melhorias contínuas.

A metodologia propõe mudanças nos fluxos de trabalho para reduzir desperdícios, ampliar a produtividade dos profissionais e otimizar o tempo e a qualidade do atendimento. Para isso, serão feitos ajustes internos, desde mudanças logísticas até alteração das funções desempenhadas por cada profissional no dia a dia.

Para a secretária municipal da Saúde, Márcia Huçulak,o projeto vem somar e aumentar a qualidade dos serviços já ofertados pela secretaria e são bem recebidos pela cidade.

“Nosso SUS já vem prestando ótima assistência para a população, mas sabemos que a demanda por atendimento de saúde cresce a cada dia e precisamos nos adaptar a ela. Essa mudança vai ser essencial nesse momento de retomada após a última onda da covid, para que possamos sempre fazer o melhor pelos usuários do SUS”, disse.

No primeiro momento a nova ferramenta de gestão será levadas às UPAs Boa Vista, Campo Comprido, Cajuru, Pinheirinho e Sítio Cercado. Na quinta-feira (24) coordenadores de todas as UPAs e profissionais da urgência e emergência receberam uma capacitação ministrada pela equipe do ministério, responsável pela implantação do projeto.

O que muda

A metodologia propõe mudanças nos fluxos de trabalho para reduzir desperdícios, ampliar a produtividade dos profissionais e otimizar o tempo e a qualidade do atendimento. Para isso, serão feitos ajuste internos nos fluxos de trabalhos das equipes, desde mudanças logísticas até alteração das funções desempenhadas por cada profissional no dia-a-dia do trabalho.

Para o usuário do serviço não há alterações, o que se pretende ao longo dessas mudanças é a redução do tempo de espera e de permanência nos serviços de saúde e satisfação com o atendimento.

Para o serviço espera-se atingir redução de desperdícios de insumos e mão de obra e otimização do tempo de cada categoria profissional e aumento da capacidade e qualidade de atendimento.

“Nós estamos trabalhando e nos capacitando para que o serviço possa evoluir e melhorar, mas ressalto que é essencial o uso adequado dos serviços das UPAs. Ainda temos uma grande volume de atendimentos nos eixos azul e verde, casos de baixa gravidade, que deveriam buscar as unidades básicas e não as de emergências”, alertou a superintende de gestão da SMS, Flávia Quadros.

Resultados positivos

No Brasil, a ferramenta de gestão já está sendo aplicada em vários serviços de saúde, com resultados positivos após as mudanças. Desde o início do projeto, houve redução média de 38% na superlotação dos serviços destes saúde, de 41% no tempo de permanência no hospital para pacientes internados e de 27% na necessidade de internamento para pacientes atendidos na urgência e emergência.  

Pantanal

Juma atira nos pés de Jove

Loterias

Veja o resultado das loterias desta terça-feira!

Inverno Chegou

Veja como será o primeiro dia de inverno em Curitiba

Além da Ilusão

Lorenzo declara seu amor por Letícia