A greve de ônibus marcada para esta sexta-feira (28), dia em que ocorre uma grande manifestação contra as reformas trabalhista e previdenciária, continua gerando polêmica. Após as empresas de ônibus repudiarem a atitude dos motoristas e cobradores de ônibus em parar, a Urbanização de Curitiba (Urbs), responsável por gerenciar o trasporte público da capital, entrou na Justiça.

Segundo a prefeitura de Curitiba, a Urbs protocolou nesta quinta-o pedido na Justiça do Trabalho (2ª Vara) para que o Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Curitiba mantenha em circulação, nesta sexta-feira (28), uma frota mínima de 80% de ônibus nos horários de pico e de 70% nos demais períodos do dia.