A Urbanização de Curitiba S/A (Urbs) decidiu suspender o edital de licitação para a implementação do Estacionamento Regulamentado (EstaR) eletrônico na capital. A suspensão foi publicada no Diário Oficial do município nesta quinta-feira (19). O edital original havia sido publicado na semana passada.

De acordo com a Urbs, a suspensão foi realizada porque o edital precisa passar por alguns “ajustes técnicos”. A empresa afirma, entretanto, que as novas diretrizes serão publicadas na próxima segunda-feira (23), com as mesmas datas e sem alterações no conteúdo. Os ajustes são, somente, de redação. O documento anterior marcava a abertura dos envelopes para o dia 17 de agosto.

Ainda segundo a Urbs, fica mantida a previsão de que o novo sistema seja implantado entre o final de 2018 e o começo de 2019.

Tarifa deve encarecer

O novo sistema tem o objetivo de modernizar a cobrança do EstaR em Curitiba, substituindo os talões de papel por um aplicativo para dispositivos móveis. Em entrevista à Gazeta do Povo na semana passada, o presidente da Urbs, Ogeny Maia Neto, afirmou que a mudança fará com que a tarifa fique mais cara.

“[O serviço] sofrerá correção, mas os valores ainda não foram definidos. Eles serão estabelecidos junto com as secretarias de Finanças e de Trânsito após o término de estudos mercadológicos”, disse.

Hoje, o valor cobrado é de R$ 2 por hora. Outra possível mudança estudada pela prefeitura é em relação à multa para quem estacionar de forma irregular: com o novo sistema, é possível que os motoristas sejam multados na hora. Hoje, existe a possibilidade de deixar de pagar a multa, de R$ 127,69, comprando um talão cheio, que custa R$ 22.

Mudanças na gestão

Desde que assumiu a prefeitura, Rafael Greca (PMN) tem proposto mudanças na gestão do EstaR em projetos de lei enviados à Câmara de Curitiba. Uma delas foi a transferência da gestão do sistema para a Urbs. Antes, a atribuição era da Secretaria de Trânsito.

Outro projeto, que ainda está em tramitação na Casa, aumenta o prazo para que a prefeitura implemente o novo sistema. A previsão inicial era de que tudo estivesse pronto no final do ano passado.

Polícia confirma que corpo carbonizado era do gerente financeiro Fabio Royer