Vendedores de cigarros contrabandeados que atuam nas redondezas do Terminal Guadalupe, no Centro da capital, têm atrapalhado os negócios de comerciantes da região. Segundo proprietários de bancas de revistas e pequenos mercados, o comércio clandestino está gerando prejuízo aos estabelecimentos que vendem o produto de maneira legal.

De acordo com quem trabalha na região, o comércio de cigarros contrabandeado ocorre principalmente nas proximidades da esquina das ruas Pedro Ivo e João Negrão. Nesses pontos, os vendedores atuam de maneira livre nos horários de maior movimento do terminal, no início da manhã e fim de tarde. Os cigarros são vendidos em maços separados ou em packs inteiros, com 20 unidades cada.

Para os comerciantes, os negócios clandestinos de cigarros na área têm diminuído o movimento em seus estabelecimentos. O dono de uma pequena mercearia, que preferiu não revelar a identidade, afirma que suas vendas de cigarro caíram cerca de 30% nos últimos meses. “Não tem como competir. Os caras vendem o maço de cigarro a R$ 2 ou R$ 2,50 enquanto que o mesmo produto legal custa o dobro. E é um produto importante para nós, comerciantes. Vende mais do que muitos imaginam”, conta.

Átila Alberti
Flagrante na tarde de sexta-feira.

O vigia João Luiz de Oliveira, 43 anos, admitiu à reportagem que já comprou cigarro contrabandeado com os vendedores ambulantes. “Principalmente no final do mês, quando o salário já está acabando. Sei que é errado, mas vou fazer o quê? O cigarro me mantém acordado no trabalho”, confessa o trabalhador.

Outro comerciante, que também não quis ser identificado, afirma que a fiscalização é falha na região do Terminal Guadalupe. “Os fiscais só chegam pra trabalhar por volta das 9h da manhã e vão embora às 18h. Todo mundo sabe disso e os ambulantes só vendem de manhã cedo e no início da noite. Além de não ter fiscalização, são os horários que têm mais movimento. Então é só apertar a fiscalização na hora certa”, alerta.

De olho

Em nota, a Secretaria Municipal de Urbanismo informou que seus fiscais atuam diariamente na região do Terminal Guadalupe. “Nos próximos dias, deverão ser intensificadas as ações de fiscalização nos horários relatados (início da manhã e final da tarde) com o apoio da Guarda Municipal”, prometeu.