Com rodízio no abastecimento de água em Curitiba região por causa da pior estiagem no Paraná na história, a população está buscando instalar caixas d’água extras em suas residências.O comportamento gera impacto no comércio de materiais de construção, que vem registrando aumento considerável nas vendas desse equipamento e adjacentes. Em algumas lojas, esse aumento chega a 40% nas vendas.

A motivação principal é o rodízio da Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar), com 36 horas de fornecimento normal e 36 horas de corte na água, já que a chuva que caiu a longo de toda a semana passada pouco mudou o quadro nas represas. Porém, o isolamento social causado pela pandemia de coronavírus também influencia nas vendas de caixa de água. Com as pessoas mais tempo em casa, várias reformas passaram a ser feitas e quem ainda não tinha o equipamento para guardar água resolveu instalar. 

LEIA MAIS – 14 dicas para você economizar água e dinheiro na conta da Sanepar

Segundo Marcelo José Sheifer, gerente de vendas da loja de materiais de construção Mafrei, no bairro Fazendinha, foram mesmo esses dois motivos que fizeram a venda de caixas d’águas aumentar. Sheifer aponta que as vendas cresceram 40% desde março, no início da pandemia, ano até a metade de agosto. “Muita gente deixou a casa com duas caixas para ampliar o armazenamento. Mas descobrimos que muitos clientes também não tinham caixa d’água”, explica.

Os tamanhos mais vendidos na loja têm sido as caixas de 310 litros, 500 litros e 1 mil litros. “Essas são basicamente para residências. Ainda há os tamanhos maiores de 1,5 mil litros, 2 mil litros e até 10 mil litros”, destaca Sheifer.

Na venda das caixas d’água, os materiais hidráulicos vão no embalo. Nesta loja, as vendas dos periféricos cresceram em paralelo às dos reservatórios. “Materiais de construção, no geral, tiveram o mercado aquecido em Curitiba na pandemia. Está tendo bastante reforma”, aponta o gerente.

As vendas são tantas, que até os pedidos da loja para as fábricas, que normalmente levavam em torno de dez dias para serem entregues, agora têm prazo de até 60 dias. “Está tendo muita demanda. Mas estoque tem. Só que o cliente que for instalar uma caixa d’água deve se antecipar para não se frustrar”, avisa. 

O metalúrgico aposentado Josenei Schritke, 49 anos, que mora em Curitiba, gastou cerca de R$ 470 para colocar em casa um reservatório de água de 310 litros. O valor inclui as peças que comprou e também madeira para fazer a estrutura de apoio da nova instalação. “A mão de obra ficou sem custo, pois eu mesmo instalei. Tenho conhecimento e isso me facilitou”, contou Schritke.

No caso do aposentado, o objetivo foi mesmo ampliar o armazenamento de água em casa por causa do rodízio mais severo. “Na minha casa são quatro pessoas consumindo água de uma caixa de 500 litros. Não dava conta. Eu indico a instalação de uma extra porque não sabemos quando as coisas vão normalizar”, recomenda.

Instalação

Como nem todo mundo sabe fazer serviços hidráulicos, a recomendação de que a caixa d’água seja instalada por um encanador. O valor médio de instalação fica em torno de R$ 350. Caso o encanador ainda tenha que montar o suporte de madeira, o valor sobe para R$ 450. Esse valor não inclui os materiais. No entanto, já inclui a mão de obra de ter que passar a caixa d’água por cima do telhado. Na maioria dos casos, é preciso tirar as telhas e ripas, já a caixa a não passa só pelo alçapão do forro.

VIU ESSA? – Garrafa pet, WhatsApp e mobilização fazem prédio de Curitiba exemplo de economia de água

Conferente de pátio da mesma loja de materiais de construção, Paulo Domingos da Silva, 51 anos, ainda alerta para o risco da nova ligação dar errado, caso não seja feita por alguém que entenda da assunto. “Para a instalação da boia, por exemplo, a caixa já vem com uma furação com distância do fundo adequada. Isso evita que a pessoa faço um furo no local errado no caso de instalação de uma caixa nova em uma casa que ainda não tenha”, explica.

No caso de uma caixa extra, Domingos também dá a dica para que o nível dos dois reservatporios seja o mesmo. “A pressão em caixas que não estão no nível são diferentes. Se a instalação foi feita errada, corre o risco de uma ficar com água e a outra estar sempre vazia, sem que a vazão passe de uma para outra. A ligação do cano entre elas também deve ser feita na mesma direção”, alerta.

A Sanepar recomenda que as residências tenham uma caixa de água, conforme recomendação da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). A caixa d´água garante o abastecimento por cerca de 24 horas.

Caixas d’água da Sanepar

Para ajudar a população carente, que é quem mais sofre sem poder armazenar água nos dias de rodízio, a Sanepar selecionou 2,8 mil famílias que receberão doação de caixa d’água de 500 litros para suas casas. A entrega é para famílias da região metropolitana moram em áreas onde o abastecimento é mais difícil, como áreas de topografia acidentada.

VEJA MAIS – Chuva da semana passada afeta bolso de consumidores. Abobrinha subiu 120%

Mil dessas caixas que serão entregues a famílias carentes foram doadas pela fabricante Tigre. Já a madeira usada na base dos reservatórios é de dormentes de linhas de trem doados pela empresa Rumo.

Faltou água e agora?

Quem ficar sem água podem entrar em contato com a Sanepar pelo Serviço de Atendimento ao Cliente, pelo telefone 0800 200 0115. Ao ligar, tenha em mãos a conta de água ou o número de sua matrícula.

Dicas para economizar água

  • Um banho de 15 minutos exige 105 litros de água. Reduza o tempo para 05 minutos, e o consumo cai para 70 litros
  • Cada vez que você lava as mãos com a torneira aberta o tempo todo, são gastos 7 litros de água
  • Para fazer a barba, com a torneira aberta, um homem gasta 65 litros de água. Feche a torneira enquanto faz a barba, e só volte a usar água para enxaguar. Com a torneira fechada o consumo será inferior a um litro
  • Ao escovar os dentes é necessário apenas um copo de água, mas as pessoas  que não fecham a torneira durante a  escovação  gastam 10 litros
  • A válvula de descarga é um grande vilão no consumo de água. Sozinho o vaso sanitário pode ser responsável por 50% do que se gasta em uma residência
  • Nunca jogue cigarros, absorventes ou papéis no vaso, porque haverá maior consumo de água para mandar esse lixo embora
  • Deixar a mangueira aberta enquanto lava o carro, nem pensar! Se você fizer isso vai gastar 360 litros. Não lave o carro. Se for imprescindível, use apenas a água de um balde  pequeno
  • A água da mangueira não é para varrer a sujeira – use a vassoura
  • Lavar a louça da família também exige mudança de hábito. Se continuar lavando com a torneira aberta o tempo todo, serão gastos 112 litros por pessoa. Mude o hábito. Feche a cuba da pia, encha de água. Ensaboe toda a louça e enxágue com água limpa. Se fizer assim, você vai consumir menos de 10 litros para lavar a louça
  • Procure usar a capacidade máxima da máquina de lavar roupas. Não lave roupas todos os dias. Espere acumular. Você vai economizar água e energia. A água que fez o último enxágue das roupas, no tanque ou na máquina pode perfeitamente ser usada para ensaboar tapetes, tênis e cobertores. Também serve para molhar plantas, lavar carro, pisos e calçadas
  • Recomendações gerais: Quando você for viajar, feche o registro do cavalete de entrada d’água, evitando qualquer desperdício durante sua ausência. Atenção com vazamentos, pois eles são vilões. É fundamental observar se a válvula de descarga está funcionando perfeitamente, se não há manchas de umidade nas paredes e calçadas e também se todas as torneiras estão vedando adequadamente. Uma torneira que fica gotejando durante um mês representa um desperdício de 2 metros cúbicos, o suficiente para atender as necessidades de uma pessoa por 14 dias.