O comerciante Diego Saldanha, 35 anos, é conhecido pela criação da Ecobarreira do Rio Atuba, em Colombo, região metropolitana de Curitiba, que lhe valeu o apelido de Guardião do Atuba. Ele ganha a vida vendendo morango em um sinaleiro do bairro Mossunguê, em Curitiba, e uma nova estratégia de marketing tem se transformado em um sucesso de vendas. Saldanha ganha os clientes vendendo fiado pelo Pix. Quem passa pelo sinaleiro e não quer parar o veículo, mas quer comprar frutas, pode levar para pagar depois, no caminho, por meio de uma transferência. O comerciante garante que 99,99% das pessoas são honestas e pagam pela compra.

Saldanha já foi personagem de inúmeras matérias na Tribuna. Ele ficou famoso pelo engajamento com o meio ambiente. A sua Ecobarreira  no Atuba ganhou as páginas de notícias do Brasil e de fora e concorreu ao Prêmio Bom Exemplo 2019 da RPC. O projeto foi criado em 2017 e, atualmente, conta com apoiadores privados, incluindo a empresa Unilever.

“Sempre tento trazer algo inovador para o que faço. Foi assim com a Ecobarreira e, agora, está sendo assim com o meu ganha pão. Eu trabalho no mesmo sinaleiro há dez anos e ele abre em 40 segundos. Muitas vezes, não dá tempo de passar o cartão na maquininha ou a pessoa não quer estacionar do lado. Percebi isso e mandei fazer um cartão de visitas com a chave Pix”, conta o comerciante.

Motoristas honram suas palavras na maioria das vezes. Foto: Gerson Klaina

E a ideia alavancou os negócios e, segundo cálculos do comerciante, as vendas cresceram 50% depois da ideia do “fiado”. “Percebo que o cliente se interessou e ofereço para ele levar uma caixa de morangos, por exemplo, para pagar no caminho. A pessoa até desconfia, me pergunta se vou mesmo fazer isso, se confio nela. Digo que sim. Eu acredito mesmo na honestidade das pessoas. Se não for para ser assim, como vamos transformar o mundo? Se acharmos que todos são malandros?”, questiona.

Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por Diego Saldanha (@ecobarreira_diegosaldanha)

Segundo Saldanha, a cada 500 vendas, só duas pessoas deixam de pagar. “Todo mundo paga no caminho. E o comprovante chega junto com mensagens de agradecimento. Eu aproveito o contato e ofereço outras frutas, falo do meu negócio. Tem muito cliente que retorna para comprar mais das minhas frutas selecionadas”, comemora.

O Guardião do Atuba e vendedor de frutas também usa as redes sociais para manter o seu público informado. Isso ele aprendeu a fazer depois da Ecobarreira. “Uso meu Facebook e Instagram para contar as novidades. É uma forma de manter um bom relacionamento”, explica Saldanha.

LEIA TAMBÉM:

Liberdade, conforto e trabalho remoto: Motorhome vira queridinho dos curitibanos de todas as idades

É ouro! Paraná tem apenas uma mina, na região de Curitiba, mas o rendimento é milionário; saiba mais

Leilão da PRF tem 149 carros, motos e caminhão prontos pra rodar; lances vão de R$ 50 a R$ 22 mil

Sobre o novo uso do Pix, está tudo contado em um vídeo no Instagram @ecobarreira_diegosaldanha. A conta tinha cerca de 31,1 mil seguidores até a tarde manhã desta quarta-feira (24)

+Viu essa? Universidade do Paraná é vendida para grupo de SC em negociação bilionária

Serviço

Para quem deseja comprar frutas do Saldanha, o horário de atendimento é das 9h às 14h, na esquina da Rua Professor Pedro Viriato Parigot de Souza com a Rua Major Heitor Guimarães. “Uma das esquinas mais importantes de Curitiba”, destaca o Guardião do Atuba e, por que não, agora Tio da Caderneta do Pix.

Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por Diego Saldanha (@ecobarreira_diegosaldanha)

Web Stories

Pega Pega

Treta! Nelito dá um soco em Julio por causa de Cíntia

Você sabia?

Cinco curiosidades sobre Curitiba que nem o curitibano raiz sabe!

Gigante!!

Nova Havan será quatro vezes maior que a loja que será abandonada em Curitiba

Lindas!

Cinco árvores exóticas e raras de Curitiba