Os estragos que foram observados na cidade de Itaperuçu, Região Metropolitana de Curitiba, são impressionantes. A força do vento, segundo os moradores do local, assustou e rapidamente a palavra “Tornado” surgiu como justificativa para os estragos, a destruição e as duas mortes que ocorreram na noite desta sexta-feira (30). No entanto, a ocorrência do fenômeno meteorológico ainda não foi confirmada pelo Sistema Meteorológico do Paraná (Simepar).

+ Mais sobre o Tornado de Itaperuçu: Moradores relatam momentos de terror e pedem ajuda

Segundo o meteorologista Samuel Braum, ainda não há indícios para classificar o fenômeno realmente como um tornado. Os ventos ultrapassaram os 100 km/h, mas também, pelos dados colhidos até agora, não há como dizer a velocidade correta do vento que causou tanta destruição. Outros dois termos, porém, podem ajudar a entender o que aconteceu: micro explosão e super célula!

“Existem vários fenômenos que podem ter causado os estragos que vimos. Ainda temos que analisar para classicá-lo, mas pelo que já pudemos levantar não existem características de tornado. No entanto, pode ter sido uma micro explosão ou uma super célula. Ambas têm o potencial de causar estragos como este tipo”, disse à Tribuna.

Entenda mais sobre os fenômenos: 

– Super célula: é uma tempestade que se caracteriza pela presença de um mesociclone, que é uma corrente ascendente (de baixo para cima, mas que também pode ocorrer em sentido contrário). São chamadas de tempestades rotativas, mas em apenas 1% dos casos vira um tornado.

– Micro explosão: ocorre quando uma forte rajada de vento se desloca da base da nuvem em direção ao solo, provocando um forte estouro, semelhante a uma explosão ou trovão. O movimento é em linha reta e costuma tombar árvores e muros.

Segundo Samuel Braum, o que ocorreu de fato foi uma linha de instabilidade que passou pela RMC, especialmente sobre Itaperuçu, Almirante Tamandaré e Rio Branco do Sul. “Em situações como essa, as tempestades e ventos fortes são comuns. Os sinais ainda não estão claros para definir com certeza o que aconteceu, mas claramente os estragos foram significativos”.

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do trio de ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!

Por enquanto, o dado técnico mais preciso colhido por estações de monitoramento mostra em Cerro Azul, município vizinho, a marca de 80 km/h. “Mas em Itaperuçu passou de 100 km/h, com certeza. Só não sabemos ainda quanto mais”.

Por tudo que os meteorologistas viram até agora, é arriscado dizer que foi um tornado. “O tornado deixa um rastro diferente, como árvores quebradas no meio. Mas se o vento conseguiu virar um carro, certamente foi forte. No entanto, qualquer um destes outros fenômenos que mencionei pode causar o mesmo tipo de estrago”, explicou.

Não há previsão para que eventos do mesmo tipo se repitam neste final de semana na região. Segundo o Simepar, deve chover em alguns locais, mas sem grandes problemas. “Este final de semana está mais tranquilo. Deve chover ainda, mas não há condições para temporal. Ontem tínhamos, mas foi um evento extremo e pontual”.

Imagens impressionantes! Tornado em Itaperuçu causa duas mortes e destruição