O vereador Renato Freitas, do PT, liderou uma invasão da Igreja Nossa Senhora do Rosário, em Curitiba, neste sábado (5), durante uma missa, interrompendo a celebração. Dezenas de pessoas, com bandeiras do PT e do PCB, entraram à força no templo e começaram a gritar palavras como “racistas” e “fascistas”.

>> Atualização! Vereador protocola pedido de cassação do mandato de Renato Freitas (PT) após invasão à igreja

Sem atender aos pedidos do padre que queria continuar a missa, Freitas fez um discurso dizendo, no meio da igreja, que os católicos tinham apoiado um “policial que está no poder”. Para ele, os assassinatos de pessoas como Moïse Mugenyi e Durval Teófilo Filho teriam relação com a conivência das pessoas com fé católica a autoridades “fascistas”. Segundo Freitas, estas mortes teriam ocorrido como consequência do “racismo estrutural”. Lembrando que a própria Arquediocese de Curitiba repudiou a ação coordenada pelo vereador.

LEIA AINDA – Carro bate em poste e fica destruído em rodovia da região de Curitiba; passageiro morreu

Crime contra o sentimento religioso

Segundo o artigo 208 do Código Penal brasileiro, é considerado crime impedir ou perturbar cerimônia ou prática de culto religioso. Leia na íntegra:

Art. 208 – Escarnecer de alguém publicamente, por motivo de crença ou função religiosa; impedir ou perturbar cerimônia ou prática de culto religioso; vilipendiar publicamente ato ou objeto de culto religioso:

Pena – detenção, de um mês a um ano, ou multa.

Mais sobre Renato Freitas

>>Vídeo mostra confusão entre GM e vereador Renato Freitas antes de prisão em Curitiba

>> Vereador Renato Freitas acusa PMs de racismo; OAB diz que prisão foi exagero

>> Vereador Renato Freitas é preso na Praça 29 de Março, em Curitiba

Pantanal

Juma atira nos pés de Jove

Loterias

Veja o resultado das loterias desta terça-feira!

Inverno Chegou

Veja como será o primeiro dia de inverno em Curitiba

Além da Ilusão

Lorenzo declara seu amor por Letícia

LEIA TAMBÉM“Vovô justiceiro” captura homem instantes após o neto ser assassinado em Curitiba