A obrigatoriedade na utilização das máscaras de proteção contra a Covid-19 em alguns ambientes de Curitiba pode estar com os dias contados. Ao menos na opinião da maioria dos vereadores da Câmara Municipal de Curitiba (CMC), que indicaram serem favoráveis a sugestão do vereador Alexandre Leprevost (Solidariedade). 

A flexibilização do uso equipamento seria em vias públicas, parques, praças, escolas, restaurantes, estádios e academias. O fim do uso ocorreria devido ao grande porcentual de vacinados na capital paranaense que atingiu 87,1% ao menos com uma dose. Em relação à população completamente imunizada (com duas doses ou dose única), a cobertura chega a 78,9%.

+ Veja mais: Governo brasileiro quer rebaixar Covid-19 pra endemia; veja a diferença

A partir dessa discussão, a prefeitura de Curitiba vai analisar o pedido. Vale reforçar que o Paraná ainda obriga o uso da máscara nos 399 municípios e qualquer mudança precisa do aval do governo estadual.

Leprevost apresentou sugestão na Câmara Municipal de Curitiba (CMC) e nesta terça-feira (08), os vereadores discutiram a preposição. No texto apresentado pelo autor da recomendação, o avanço na vacinação aliado ao baixo número de pessoas internadas em estado grave auxilia na flexibilização.

“A sugestão não tem nenhum viés ideológico, mas sim em números. Eu trago dados da prefeitura que mostram essa conclusão, pois a taxa de ocupação em UTIS está em 6%, os casos ativos representam uma queda de 40% comparado a semana passada. A flexibilização faz parte de várias cidades e acredito que muitas pessoas estão usando a máscara de maneira simbólica. Entra no restaurante ou no estádio e tira. É preciso seguir a vida normal, senão não faz sentido. Peço para que a prefeitura faça isso”, disse Leprevost no discurso em plenário da CMC.

Em ambientes fechados como o transporte coletivo, a máscara teria que ser utilizada pela população. O debate vai seguir nos próximos dias, mas já ganha adeptos.

O governador Carlos Massa Ratinho Junior disse em entrevista após um evento na segunda, que o índice vacinal comprovou eficiência e aguarda resultados de exames dos próximos 14 dias para definir uma linha a ser usada no Paraná. “Isso é uma construção que passa pela saúde pública, e acredito que analisando o período pós carnaval até a próxima semana, e não havendo um volume no aumento do contágio, podemos pensar na flexibilização para ambientes abertos”, afirmou o governador.

+ Veja também: Curitiba vacina contra covid-19 em 11 unidades de saúde; veja o cronograma da semana

Já Rafael Greca, prefeito de Curitiba, preferiu usar a cautela quanto ao assunto da liberação da máscara. “ Isso depende do Comitê Sanitário e estamos esperando por isso. Curitiba já tem 85% da população vacinada”, relatou Greca.

Lugares que flexibilizaram o uso da máscara

No Paraná, o prefeito de União da Vitória, Bachir Abbas, assinou decreto que torna facultativo o uso de máscara em todo local aberto. Já em outras capitais, a flexibilização aumenta.

Em Belo Horizonte, a flexibilização teve início do mês de março só para locais abertos. No Distrito Federal, existe a liberação, mas é preciso utilizar em shows e eventos esportivos quando ocorrerem em locais fechados.

+ Leia mais: “Nem inaugurou”! Moradores de Colombo reclamam de vandalismo e furtos em nova delegacia

No Rio de Janeiro, a segunda-feira foi de liberação por parte do governador Cláudio Castro, delegou às prefeituras as decisões sobre o uso de máscaras. No mesmo dia, a capital fluminense derrubou a obrigatoriedade em locais fechados. Em espaços abertos da cidade, o acessório já não era mais cobrado desde outubro do ano passado.

O governo do Mato Grosso do Sul informou que iria revogar a obrigatoriedade a partir desta terça-feira (08). Em Cuiabá, é facultativo em ambientes externos desde o ano passado.

Whatsapp da Tribuna do Paraná
RECEBA NOTÍCIAS NO SEU WHATSAPP!
Receba as notícias do seu bairro e do seu time pelo WhatsApp.