Em votação em regime de urgência na Câmara, os vereadores de Curitiba rejeitaram o projeto de lei que estabeleceria multa de R$ 15 mil ao proprietário do imóvel que realizasse festa clandestina, em caráter comercial, durante a pandemia do coronavírus. O projeto, do vereador Professor Euler (PSD) foi rejeitado com 21 votos contrários, 11 favoráveis e duas abstenções.

As festas clandestinas em Curitiba e Região Metropolitana estão sendo problemas recorrentes, por causa do fechamento de boates por decreto estadual. Nos últimos meses, a polícia e autoridades de segurança têm realizado batidas nos eventos proibidos, geralmente após denúncias.

LEIA MAIS: Polícia Militar cria canal de denúncias de aglomeração no aplicativo 190 PR

O vereador autor do projeto reclamou do resultado. “Não se trata de tentar coibir aquela reunião familiar. Aquele almoço que você faz com seus parentes ou até com amigos”, argumenta Euler. Em entrevista ao site da Câmara de Curitiba, o vereador disse que a pessoa que cede ou aluga seu imóvel à realização de festa clandestina “dá risada” com a multa estipulada de R$ 899 à atividade sem alvará.

Contrário ao projeto, o vereador Pier Petruzziello (PTB) explica que votou contra a lei porque a festa clandestina já é proíbida, e esta questão é para ser resolvida no âmbito criminal. “Lamento que tenha vindo em regime de urgência. As festas clandestinas já são festas proibidas. O que estamos fazendo é chover no molhado. O Professor Euler tem que aprender a perder”, acrescentou, em defesa da base, após fala do autor de que a votação teria cunho político.


A Tribuna precisa do seu apoio! 🤝

Neste cenário de pandemia por covid-19, nós intensificamos ainda mais a produção de conteúdo para garantir que você receba informações úteis e reportagens positivas, que tragam um pouco de luz em meio à crise.

Porém, o momento também trouxe queda de receitas para o nosso jornal, por isso contamos com sua ajuda para continuarmos este trabalho e construirmos juntos uma sociedade melhor. Bora ajudar?