A ação violenta e cruel em um atentado que ocorreu na noite de segunda-feira (07) no bairro Portão, em Curitiba, segue sendo investigada pela Polícia Civil. A principal linha de investigação é a de que um acerto de contas foi promovido por facções criminosas, que desejam expandir o tráfico de drogas em bairros curitibanos. Quatro pessoas foram mortas, sendo duas crianças que estavam dentro do veículo Fiat Palio que foi alvejado por mais de 20 tiros.

LEIA TAMBÉM:

>> Luiz Abi Antoun, primo de Beto Richa, morre em acidente no Mato Grosso

>> Motorista de ônibus bloqueia rua para mulher com muletas atravessar em Curitiba

>> Golpe faz prefeitura do Paraná perder mais de meio milhão de reais

As vítimas tiveram os nomes divulgados após passarem pelo Instituto Médico-Legal (IML). Foram mortos o casal Anderson Olívio Bueno Miranda, de 26 anos, e Bruna Bispo Dias, de 20 anos. Já as crianças são Christopher Augusto Vaz, 8 anos, e Guilherme Bispo, de 3 anos, que morreu na terça-feira (08).

Já o outro casal que estava no Fiat Palio segue internado e sem risco de morte. Quanto ao bebê de cinco meses, ele chegou a deixar o hospital e foi encaminhado a um abrigo. No entanto, as cuidadoras ao darem banho perceberam um projétil alojado no pé e precisou retornar ao Evangélico Mackenzie.  

Confrontos entre quadrilhas

O delegado Tiago Dantas da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), responsável pela investigação, já ouviu várias testemunhas e já tem algumas suspeitas quanto aos autores do atentado. “São guerras de facções que querem expandir o comércio de entorpecentes. Eles matam pessoas, dão tiros sem critério e nenhum zelo pelas pessoas e leis”, disse Tiago em entrevista para a RPC.

Relembre o caso

O caso ocorreu na Rua Pinheiro Guimarães no bairro Portão. Um Palio branco estava parado na via quando outro carro, um Ford Ka, emparelha ao lado e os tiros começam. Foram mais de 20 tiros, segundo testemunhas que moram no entorno do atentado.

Segundo o delegado Victor Meneses, que atendeu à ocorrência no dia, os atiradores sabiam o que estavam fazendo. “O veículo parou nessa rua por volta das 20h e, a principio, já havia alguma combinação com os ocupantes do outro veículo análogo a um Ka. Deste segundo veículo desceram duas pessoas que atiraram, incessantemente, contra o Palio, que tinha janelas transparentes, ou seja, com visibilidade. Isso indica que eles sabiam o que estavam fazendo”, explicou o delegado no local do crime para o Bom Dia Paraná desta terça-feira (08). O carro foi encontrado queimado em um pátio em outro local do crime.

Pantanal

Zuleica não aceita morar na fazenda com os filhos

Além da Ilusão

Davi expulsa Iolanda de casa

Novidades da Netflix

Filmes e séries que chegam à Netflix nesta semana

Estreia da semana

5 curiosidades sobre “O Telefone Preto”