“Vício de comer e beber em excesso”, segundo o dicionário este é o significado da palavra gula, um dos sete pecados capitais, ou vulgarmente dizendo: ato de fazer gordices. Entretanto, a gula em referência é um tanto diferente e tem conquistado aos poucos os consumidores de Curitiba e região. Quem passa em frente pode até confundir com uma mercearia, mas a proposta é bem diferente. Afinal, você sabe o que é uma gula? Vale a pena fazer compras nela?

As famosas gulas são lojas de produtos alimentícios que vendem produtos a um preço mais acessível que o supermercado. Com cestas de produtos do lado de fora e cartazes apontando as promoções do dia, o comércio conta com uma ampla quantidade de produtos.

+ Leia mais: Horário comercial flexível em Curitiba já pode ser votado na Câmara dos Vereadores

>>>> Você (re)conhece os deputados estaduais do Paraná; participe do nosso QUIZ

Como conseguem preço tão acessível?

As gulas vendem produtos com a validade próxima do vencimento, o que facilita muitas vezes de o comerciante chegar a um preço mais acessível para o consumidor final. Para o cliente, é uma ótima oportunidade de levar vários produtos em boas condições, dentro da validade e ainda economizar. Para o lojista, é um meio de garantir a rotatividade dos produtos e ainda conseguir lucrar um pouco.

Desmistificando alguns boatos, os produtos vendidos pela Gula são de procedência e com nota fiscal, é o que garante a gerente, Fátima Matias, 31 anos, de um comércio localizado em Colombo, na região metropolitana de Curitiba. “São produtos seguros, todos com nota fiscal. A questão é a quantidade de produtos que compramos, e o preço diferenciado para as gulas. Os fornecedores têm preço especial pra gula que é diferente aos do mercado. A gente trabalha com validade curta, por isso o preço é melhor. O cliente precisa estar ciente disso, não está fora da validade, mas o prazo é mais curto”, explica a gerente.

Vale a pena?

A dona de casa Lica Guimarães, conta que a mãe e elas compravam, mas nos últimos anos desistiram devido à comparação ao preço do mercado. “Minha mãe comprava bastante, ela vivia indo atrás de promoção, mas parou. Tem produtos que estão mais caros que no mercado”, desabafa.

+ Leia também: Polícia resgata idosos de situação sub-humana numa kitnet em Colombo
>>>> Com dívidas? Sanepar vai parcelar débitos pendentes em até 60 vezes

Diferente da família de Lica, a servidora pública, Elizabete Ruberth, 41 anos, compra em gula há pelo menos seis anos. Ela é mãe e garante que consegue comprar as guloseimas para a filha mais barato que no mercado e no final das contas chega a economizar até 50%.

“Temos a oportunidade de comprar coisas mais baratas e com qualidade. Em questão de economia, tem bastante diferença. Eu economizo bem, às vezes pago R$ 10 em quatro bandejas de iogurte, enquanto no mercado tá uns R$ 6, dependendo da marca. Onde compro tem bastante variedade de produtos. Geralmente compro iogurte, pães, salgados, pizzas. As promoções são boas, não achamos no mercado, há produtos que não encontro em promoção no mercado. Quando não tem na gula, não compro porque é muito caro”, afirma a servidora pública.

De acordo com Fátima, essa é uma ótima oportunidade para quem quer economia. “As vezes chega a metade do preço do mercado, chega a economizar até 50%. Aqui temos congelados, frios, iogurtes, salgadinhos, doces, chocolates e pão francês. Pão a R$ 8,99 o kg tá bem mais em conta que o mercado”, destaca.

#VOCÊVIU? Na cara dura, homem furta caixinha de coleta de doações de igreja em Curitiba

Dicas da Vigilância Sanitária

Em conversa com a Tribuna do Paraná, a Vigilância Sanitária de Curitiba lembra que a compra de alimentos requer do consumidor a atenção de vários aspectos do produto, qualquer que seja o estabelecimento que o comercializa. Em relação aos alimentos vendidos nas chamadas “Gulas” – que ofertam produtos com data próxima ao vencimento –, a Vigilância Sanitária de Curitiba orienta que:

  • Os estabelecimentos divulguem em destaque a data de vencimento dos produtos aos consumidores.
  • Os consumidores devem comprar somente alimentos dentro da validade, rotulados e conservados na temperatura indicada pelo fabricante.
  • O consumidor avaliar, antes de efetivar a compra, se vai consumir o produto antes do vencimento.
  • Produtos de origem animal devem ter selo de inspeção. Carnes devem estar sob refrigeração, com cor e cheiro próprios.
  • A embalagem é fundamental para garantir a qualidade e a segurança dos alimentos. Se estiver estufada ou rasgada, não compre.
  • Alimentos congelados devem estar firmes e sem sinais de descongelamento. Observe se há acúmulo de gelo no congelador ou freezer. Caso sim, não compre. Esse acúmulo significa variação de temperatura, que compromete a qualidade do alimento.
Pantanal

Tibério proíbe Muda de falar com Alcides

Além da Ilusão

Úrsula rouba o bebê de Heloísa

Novidades

Comédia com Paulo Gustavo e mais filmes e séries chegam nesta semana na Netflix, confira!

Carreira

Ganhadora do prêmio de pior atriz a vida rodeada de polêmicas, quem é Anne Heche?