Cerca de 15 presos da Colônia Penal Agrícola (CPA), em Piraquara, na Região Metropolitana de Curitiba, participaram do curso profissionalizante de Agricultura Orgânica, que encerra, nessa sexta-feira (11). De acordo com a pedagoga da unidade, Maria Lúcia Ferreira, a atividade tem por meta, capacitar o preso, buscando a reinserção social e reduzir a reincidência.

O engenheiro agrônomo do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar), Patrick Johannes Scholten, explica que o conteúdo das aulas tem por base o histórico da revolução verde, o desenvolvimento dos fertilizantes químicos, os pesticidas e a evolução da agricultura desde o feudalismo até os tempos atuais. Ele também ressalta a importância da participação do apenado em cursos dessa natureza, no processo de ressocialização. "É uma oportunidade do preso retornar à sociedade, com algum conhecido sólido e prático", analisou Scholten.

V.S. S., 38 anos, que cumpre pena na CPA desde setembro do ano passado, diz que esse é o 6º curso que ele participa na unidade. "Estou aprimorando meus conhecimentos nessa área, pois assim, acredito que terei melhores chances de me estabelecer num emprego", declarou o interno que se diz "encantado" com as técnicas da Agricultura Orgânica. C.I.B., também cumprindo pena na Colônia, revela que "todos os cursos da unidade promovem a auto-estima, por meio do conhecimento".

A série de cursos oferecidos pela CPA no decorrer do ano integra o programa de ressocialização no Sistema Penitenciário do Paraná, política adotada pela Secretaria da Justiça e da Cidadania.