O Curso de Restauração de Móveis, que está sendo realizado no Centro de Criatividade de Curitiba, parece uma UTI de móveis. Os 14 alunos inscritos, trajando aventais e com máscaras no rosto, parecem confirmar essa impressão. Eles aprendem a recuperar móveis, antigos ou importantes, cujo destino acabaria sendo o lixo.

Para a professora do curso, Eliane Cruz, além do valor histórico, há o valor sentimental nesses artefatos. "O curso acaba tendo, também, uma função ecológica, já que recicla o antigo e habilita os participantes a transformar, por exemplo, um guarda-roupa numa cristaleira, ou um balcão num lavabo."

O curso, que é realizado às segundas e sextas-feiras, das 14 às 17 horas, fora inicialmente planejado para a formação de profissionais com baixa escolaridade. Entretanto, o interesse foi despertado em arquitetos, decoradores e pessoas que buscavam não mais que uma terapia ocupacional.

As inscrições estão abertas, com custo de R$ 100,00. O curso vai até outubro, mas os alunos já se manifestam pela continuação, com aprofundamento teórico e prático. "Curitiba ainda não possui uma cultura da preservação e restauro de móveis. E o mercado de restauração ainda está por ser descoberto e explorado", diz Eliane. "Na França, por exemplo, a preocupação com esse item do patrimônio cultural é tão grande, que eles não permitem a saída de móveis que apresentem valor histórico e artístico."

O curso Restauração de Móveis complementa os de marchetaria e entalhe promovidos pelo Centro de Criatividade de Curitiba. "Eu mesma fui aluna do curso de Aperfeiçoamento de Entalhe", revela a professora Eliane, que já fez trabalhos para a Câmara Municipal de Paranaguá e Santa Casa de Misericórdia de Curitiba, entre outros.