Daiane dos Santos tem mais experiência internacional do que Elsa Garcia. Já foi a duas Olimpíadas e segue pela terceira vez aos Jogos Pan-Americanos. Elsa não foi a nenhuma dessas competições e sonha em ver seu país despontar no cenário internacional.

A gaúcha afirma não ter acompanhado de perto a evolução da principal adversária. E, por meio da assessoria de imprensa da Confederação Brasileira de Ginástica (CBG), Daiane afirmou nunca ter visto Elsa competir (nem mesmo pela televisão).

Mas duas atletas da equipe permanente do Brasil já viram Elsa de perto. Jade Barbosa, de 16 anos, e Laís Souza, de 18, competiram com ela.

Jade viu Elsa nas duas últimas etapas da Copa do Mundo (Paris e Cottbus). E chegou a derrotar a adversária no salto. Já Laís diz ter visto Elsa competir na Filadélfia, Estados Unidos, no ano passado. Não acompanhou as duas etapas da Copa este ano porque diz que o horário da transmissão coincidiu com o horário dos treinos.

Para Jade, Elsa não é surpresa. ‘Competimos juntas desde o juvenil. Ela é uma atleta completa’, disse, durante a Copa do Mundo da Alemanha.

Laís fez questão de pedir a Jade detalhes da prova de salto da rival. ‘A Jade disse que o salto dela não tem dificuldade. Mas é bem executado e limpo’, contou.

Quanto ao carisma de Elsa, Laís diz ser um diferencial. ‘Com certeza isso influencia na nota. Os árbitros sabem só de olhar para a gente se estamos seguras. Não dá para entrar com cara de desespero.

A meta do Brasil, segundo Laís, é o Mundial de Stuttgart, em setembro, classificatório para a Olimpíada de Pequim, em 2008. Classificam-se as equipes que ficarem até a 12ª posição. No último Mundial, as garotas ficaram em sétimo.